Masculinidade tóxica: entenda o contexto histórico e seu problema atual

masculinidade tóxica

Todos somos vítimas e reproduzimos a masculinidade tóxica. Homens e mulheres. Heterossexuais e LGBTQIAP+ (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, travestis, queers, intersexuais, assexuais, pansexuais). Crianças e idosos. Todos estão dentro desse contexto.

E tal assunto não começou nos dias de hoje, aliás, as raízes da masculinidade tóxica remontam há dezenas de séculos. Nesse sentido, conseguimos traçar o seu começo para o momento em que a raça humana deixou de ser nômade com o advento da agricultura.

Cerca de 10 a 12 mil anos atrás, o processo de patriarcado e a noção de propriedade começavam a se instalar como formas de organização social. Os modelos de família heterossexual foram se formando e agindo como os sustentáculos principais do funcionamento social.

Nesta mesma época, as características atribuídas à mulher e ao feminino tornaram-se socialmente depreciadas. Além disso, as raízes da LGBTQIAP+ fobia começam a nascer e se estabelecer, uma vez que sexualidades consideradas desviantes (daquela que conhecemos como heteronormatividade) passaram a ser gradualmente discriminadas.

Masculinidade tóxica e a mudança de conceitos

A sociedade foi sendo desenvolvida por meio da competição entre clãs, famílias, vilas, cidades, povos e nações. Além disso, características começaram a ser atribuídas aos sexos e gêneros.

Dessa forma, os homens passaram a serem vistos como sendo fortes, rápidos, corajosos, valentes, agressivos, competitivos, racionais, práticos, ágeis, guerreiros, incisivos, defensores, dominadores, objetivos, sábios, firmes, provedores, potentes, fecundadores e reprodutores (quanto mais fecundar e reproduzir, mais homem será considerado).

Por outro lado, a mulher e o gênero feminino foram estereotipados num sentido praticamente ao oposto do homem. Então, passaram a serem vistos como sendo frágeis, lentos, delicados, vaidosos, preocupados muito com a estética, subjetivos, cautelosos, medrosos, emocionais, afetivos, sensíveis, sentimentais, dramáticos, geradores, procriadores, cuidadores, cooperadores e indefesos.

As imagens do homem e do gênero masculino passaram a ser construídos de maneira estereotipada e, geralmente, complementar ao feminino. Nesse sentido, homens e masculino passaram a ser igualados à força, enquanto as mulheres e o feminino foram igualados à fraqueza. Para sociedade competitiva, então, o homem e as características masculinas são exaltados.

Machismo na masculinidade tóxica

Um outro aspecto que compõe a masculinidade tóxica é o machismo. A palavra significa os modos ou atitudes consideradas de macho. Porém, se definiu ao longo dos tempos como um preconceito, no qual considera a mulher e o feminino inferiores ao homem e ao masculino em todos os sentidos.

Nessa forma de pensar, o homem é considerado naturalmente superior à mulher, fazendo dela o que bem entender. Em muitas situações mundo afora, aliás, a mulher ainda não é vista como um ser humano completo.

Nesse sentido, o machismo consiste num determinado conjunto de atitudes e ideias, que coloca o sexo masculino em um patamar elevado na sociedade. Entretanto, acaba subjugando o sexo feminino e não admitindo a igualdade de direitos para o homem e a mulher.

Além disso, a mulher e o feminino são transformados em objetos a serem manipulados pelo homem e o masculino, principalmente, no aspecto sexual, pois presenciamos muitos assédios e violências nesse âmbito.

Portanto, o machismo também pode ser definido como a ideologia que legitima o controle econômico e social do sistema político patriarcal. Nesse contexto, é interessante entender a origem da palavra patriarcado.

Patriarcado é uma palavra derivada do grego pater, “pai” e arché, “primeiro”, “origem”, “fundamento”, que nesse caso, se refere a um território ou jurisdição governado por um patriarca; de onde deriva a palavra pátria.

Sendo assim, o sistema patriarcal enquanto instituição é uma constante social tão profundamente radicada, que domina todas as outras formas políticas, sociais ou econômicas, gerando um estado de exclusão e discriminação social da mulher pautado na crença de uma superioridade masculina.

O problema da misoginia

Por meio do machismo, o gênero feminino e a mulher foram sendo desprestigiados por intermédio da misoginia. A palavra vem do grego misogunia, sendo miseó, que significa “ódio”; e gyné, “mulher” ou “feminino”.

Ou seja, trata-se do ódio, desprezo ou repulsa à mulher, ao gênero feminino e as características associadas a eles. Aliás, tal tratativa está diretamente ligada à violência contra a mulher. O feminicídio e impunidade, inclusive, aparecem cada vez maiores.

Então, a masculinidade tóxica é composta de todos esses elementos. Dessa forma, pressiona os homens e oprime as mulheres, independentemente da orientação sexual. Como vimos, são muitas cobranças que os homens precisam realizar.

Além disso, mulheres também são pressionadas a ser como os homens, isto é, bem competitivas, racionais e violentas. Um agravante nisso ainda é que muitas delas acumulam a dupla jornada (trabalhar fora e dentro de casa).

Enquanto isso, vemos uma sociedade totalmente dominada pelos vícios, lucros, produções, competições e consumo. Nesse sentido, temos uma estruturação social que vem sendo fundamentada pela masculinidade tóxica.

Artigo anteriorCoisas para não fazer na terapia
Próximo artigoAlém da terapia: o que fazer para melhorar sua saúde mental
Psicólogo Pedro Sammarco - CRP 06/66066
Desde que me formei em psicologia em 2002 já iniciei meus atendimentos em consultório, onde estou até hoje. Logo em seguida fiz cursos na área clínica em gestalt-terapia e psicoterapia existencial. Dediquei-me também aos estudos de mestrado e doutorado voltados a psicologia social, sexualidade e envelhecimento. Além disso, sou plantonista voluntário do Centro de Valorização da Vida (CVV) desde 1998, prestando apoio emocional e psíquico. É importante mencionar que atuei cinco anos como psicólogo clínico no Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP. Quando solicitado, palestro em escolas, ONGs, dentre outros. Também atuo como psicólogo voluntário em ONG que presta amparo ao LGBT idoso.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.