5 razões para falar sobre sexo na adolescência

0
558
educação sexual na adolescência

Sexo na adolescência. Só de ler a frase, algumas pessoas já ficam receosas, porém, não é necessário ter medo disso. Aliás, precisamos conversar sobre sexo. Até os 18 anos, metade das garotas já terão iniciado a vida sexual, enquanto que para os garotos a proporção sobe para ¾.

Então, por que o medo? A relação sexual na adolescência continuará acontecendo – com ou sem tabu. A educação sexual para jovens, dessa forma, torna-se fundamental. Apesar da abordagem escolar, o tema também ganha destaque dentro do ambiente familiar.

Uma pesquisa realizada pela Bayer em parceria com a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), procurou discorrer sobre o tema com as jovens brasileiras. Os resultados demonstraram que 59% das entrevistadas possuem um diálogo aberto com os pais sobre sexo. Além disso, daquelas que não falam sobre sexualidade em casa, 67% gostaria de ter essa oportunidade.

Nesse sentido, Dr. Afonso Nazário, Coordenador da Pós-Graduação do Departamento de Ginecologia da Unifesp, comenta que “a conversa aberta com os pais é extremamente importante para as jovens (…). São eles que podem fazer com que um assunto complicado se torne simples e natural, trazendo conforto e confiança para quem está iniciando a vida sexual”.

Enxergar o assunto sob a ótica da “sexualidade precoce” é desprezar a realidade e não tratar o tema como ele merece: com diálogo e confiança. Sendo assim, trazemos algumas razões para compreendermos a importância da educação sexual e de conversar sobre a sexualidade na adolescência.

Confira também em nosso blog uma entrevista com a sexóloga Graça Margarete S. Tessarioli, co-fundadora do Abrasex falando sobre a educação sexual na adolescência.

Gerenciamento de expectativas

Um estudo realizado pela Universidade de Middlesex pretendeu entender os efeitos da exposição de conteúdos pornográficos em crianças e adolescentes. O resultado: mais de ¾ dos entrevistados entenderam aquilo como um representação fiel de sexo. Além disso, 39% dos jovens de 13 a 14 anos queriam copiar o comportamento que tinham visto.

Conhecimento é saber o que esperar. Conversar sobre sexo na adolescência permite alinhar expectativas e tirar dúvidas. Num contexto cada vez mais digital, ter um contato próximo e aberto com os filhos pode ser crucial para evitar comportamentos inadequados.

Amadurecimento com o tema

“A educação sexual ajuda a iniciar a vida sexual quando se sentir já pronto, já mais amadurecido. Comparando-se a idade daqueles jovens que tiveram educação sexual com aqueles que não tiveram, percebeu-se que existe uma diferença de seis meses na média da iniciação na vida sexual, isso significa que os jovens que receberam esse conhecimento aguardam o momento mais adequado”, afirma a psiquiatra Carmita Abdo, coordenadora do Programa de Estudos em Sexualidade da Universidade de São Paulo (USP).

Ao ensinar e deixar de tratar o tema como tabu, a pessoa se sente mais confortável consigo mesma e com o assunto. Dessa forma, a pressão social pela primeira experiência sexual é dissipada. Além disso, o conhecimento permite uma relação mais saudável e prazerosa.

Explorar a sexualidade

Falar de sexualidade para jovens deve ser tratado como algo natural. Reprimir tais assuntos pode influenciar negativamente a pessoa. Por isso, é interessante ressaltar a conscientização corporal e o respeito pelo corpo do outro.

“Compreender a sexualidade nos adolescentes permite situá-los no contexto social, o que implica ir além das questões biológicas e epidemiológicas. Na adolescência, o jovem precisa de compreensão e informações claras”, informa a revisão “Sexualidade na adolescência”.

Evitar abusos

A Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar apontou que 4% dos alunos do 9º ano já foram forçados a fazer sexo. O estudo mostra uma realidade de adolescentes entre 13 e 15 anos -porém isso não impediu o abuso sexual.

Sendo assim, conversar sobre sexo na adolescência serve também como um alerta. É importante deixar claro o que é aceitável e o que é abusivo. Ensinar a dizer “não” é valioso. A pessoa precisa compreender que deve fazer somente aquilo que está confortável.

Necessidade da proteção

75% dos jovens brasileiros já tiveram uma relação sexual desprotegidos. Os dados somente refletem a importância da educação sexual na adolescência. É preciso apresentar a relevância do tema, pois estamos tratando de uma questão de saúde.

Então, é necessário prover os jovens com informações relativas a métodos contraceptivos e as possíveis consequências de ações imprudentes. Atuando na prevenção será possível evitar lidar com uma gravidez indesejada ou contrair doenças sexualmente transmissíveis.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.