Produtividade e saúde mental: qual a sua relação?

0
842
como-aumentar-a-produtividade

O acompanhamento psicológico pode ajudar a resolver os problemas gerados pela busca da produtividade no trabalho

Você chega no escritório, senta na sua cadeira e liga o computador. Assim que a tela inicial aparece, um novo dia de trabalho começa. O relógio ainda indica que nem são 9 horas da manhã, mas a empresa espera que você já esteja sendo produtivo. E o pior, você precisa preservar esse nível de excelência até às 18 horas da tarde, sem parar.

Como sabemos, não é possível manter a concentração durante todo esse período. Aliás, as pausas são necessárias durante um dia de trabalho para conseguir atingir um melhor foco – mesmo que elas não sejam vistas com bons olhos pelos chefes.

Nesse sentido, um estudo do Instituto de Pesquisa do Exército dos Estados Unidos aponta que o cérebro retém a produtividade por 90 minutos e que, então, deve-se realizar uma pausa.

Geralmente, não paramos para pensar nessas situações. Liga-se o automático e simplesmente começamos a trabalhar. Estamos preocupados em produzir. Porém, também estamos preocupados em parecer que estamos produzindo.

O clássico jogo de aparências. Então, mesmo que o foco já tenha se dissipado, tentamos manter as aparências – apesar de você estar lendo sobre alguma notícia qualquer.

A cobrança excessiva pela primazia da excelência pode criar um ambiente insalubre. A constante busca de metas, assim como a necessidade de eficiência geram desconfortos nos colaboradores. O próximo passo desse ritmo incessante de trabalho é o adoecimento, seja ele físico ou mental. Porém, o foco das empresas continua na maior produtividade. E isso possui severos problemas.

O que significa produtividade e o seu problema

Produtividade. Esse é a palavra de ordem na maioria dos ambientes de trabalho. Tudo o que é feito tem que ser em prol dessa única palavra. “A reunião precisa ser produtiva”. Esse é somente um dos vários exemplos corriqueiros. Entretanto, você já reparou quantas vezes esse termo foi utilizado para diferentes situações? Trata-se de um mantra que nem possui definição clara. Então, o que é produtividade realmente?

Nesse sentido, para a Organização Internacional do Trabalho (OIT) o conceito de produtividade “refere-se à eficiência com que os recursos são usados; pode ser medido em termos de todos os fatores de produção combinados (produtividade total dos fatores) ou em termos de produtividade do trabalho, definida como produto ou valor agregado dividido pela quantidade de trabalho utilizada para gerar esse produto”.

“Aumente a sua produtividade”. Essa frase é muito comum utilizada por chefes numa tentativa – nem sempre bem sucedida – de fazer com que os funcionários trabalhem mais. Porém, não é essa a ideia da produtividade. O seu aumento está atrelado com um trabalho mais inteligente e realizado no mesmo período de tempo.

LEIA MAIS: Quanto custa ignorar a saúde mental?

“A produtividade do trabalho aumenta quando o valor agregado aumenta através do melhor uso, coordenação etc. de todos os fatores de produção. O valor agregado pode aumentar quando o trabalho é mais inteligente, mais difícil, mais rápido ou com melhores habilidades, mas também aumenta com o uso de mais ou melhores máquinas, redução do desperdício de insumos ou com a introdução de inovações tecnológicas”, complementa a OIT.

Significado de produtividade

Compreender entretanto, não permite entender o que leva uma pessoa a ser mais producente. Dessa forma, o relatório “Health, wellbeing and productivity in the workplace” procurou identificar quais são os fatores que determinam a produtividade no local de trabalho. O estudo apontou três categorias:

  1.  Relacionados ao trabalho e ao local de trabalho, incluindo aspectos do ambiente de trabalho, como demandas de trabalho, relações de trabalho e atitudes corporativas em relação à saúde e ao bem-estar;
  2. Fatores pessoais, relacionados a atitudes pessoais em relação ao trabalho e à ausência e comportamento individual, como estilo de vida e fatores de saúde mental;
  3. Aspectos físicos e de saúde incluem condições de saúde existentes (a longo prazo), bem como fatores físicos, como pressão arterial ou níveis de colesterol.

O problema da produtividade na empresa

Nas últimas décadas, aconteceram diferentes mudanças em relação como o trabalho é realizado e percebido. Nesse sentido, surgiram novas formas de organização do local de trabalho, além de acontecer uma aceleração exponencial das mudanças tecnológicas. O resultado para o trabalhador foi uma carga maior de responsabilidade e autonomia no emprego.

“Embora isso tenha aumentado a produtividade geral, práticas modernas de trabalho flexíveis também aumentaram as demandas diárias de trabalho, exigindo que os funcionários realizassem várias tarefas e levando a níveis crescentes de estresse no local de trabalho e pressões irrealistas de tempo”, aponta Stephen Bevan em seu trabalho “Good Work, High Performance and Productivity”. Como aumentar a produtividade se o funcionário está debilitado? Impossível. Inclusive, a condição de trabalho extrema somente traz prejuízos para o indivíduo, além de acarretar em problemas financeiros para as empresas.

“Esses desenvolvimentos não apenas levaram a níveis crescentes de ausência de doença, mas também ao surgimento de um fenômeno chamado ‘presenteísmo’, quando os funcionários assistem ao trabalho enquanto estão com uma saúde abaixo do ideal”, apresenta o relatório “Health, wellbeing and productivity in the workplace”. Além disso, estima-se que o presenteísmo causado por problemas de saúde mental custe à economia do Reino Unido 15 bilhões de libras por ano.

A relação entre produtividade e saúde mental

Tratar sobre a saúde mental dos funcionários é falar sobre como melhorar a produtividade no trabalho. Não se atentar a tal assunto pode ser fatal para o negócio, pois os problemas com questões psicológicas podem gerar prejuízos bilionários às empresas.

Os custos aos empregadores chegam a mais de 100 bilhões e 217 milhões de dólares em dias perdidos por problemas psíquicos todos os anos. Nesse quesito, uma solução para essa questão parece algo simples: identificar as causas e realizar um tratamento. Entretanto, a realidade não é tão tranquila assim, afinal, aproximadamente 85% das condições de saúde mental dos funcionários não são diagnosticadas ou não são tratadas.

De acordo com o estudo “Mental Health and Productivity at Work: Does What You Do Matter?”, estima-se que, a qualquer momento, um em cinco adultos em idade ativa tenha um problema de saúde mental, com a taxa de prevalência ao longo da vida atingindo até 50%. Além disso, foi constatado que taxas de ausência são aproximadamente cinco por cento mais altas entre os trabalhadores que relatam ter problemas de saúde mental.

“Os problemas de saúde mental afetam diretamente os empregadores e as empresas por meio do aumento do absenteísmo, impacto negativo na produtividade e nos lucros, além de um aumento nos custos para lidar com o problema. Além disso, eles afetam negativamente o moral dos funcionários”, aponta o trabalho “Mental well-being at the workplace”.

 Identificar sinais de baixa produtividade

Esses problemas afetaram o Vitor. O gerente de performance conta que mesmo conseguindo um emprego considerado melhor e que recebesse mais, não conseguiu trabalhar. “Por mais que fosse um trabalho melhor e que ganhasse mais, eu não fiquei 2 meses lá porque eu não conseguia fazer as coisas de tão mal que estava psicologicamente. Era uma época em que estava mal, ansioso e muito estressado. Eu não consegui desenvolver as minhas atividades”.

Sobre o assunto, a psicóloga Beatriz Campos explica como essa situação pode ser incapacitante. “Se fôssemos fazer uma metáfora, poderíamos comparar como uma pessoa que caminha com sapato apertado. Como sair do foco de algo que realmente nos tira a energia? Não há como sobrar disposição para nos manter com produtividade”.

Como ser mais produtivo

A chave de é o equilíbrio e a boa saúde emocional. “Portanto, para uma boa produtividade, é necessário que a pessoa se mantenha com saúde mental, equilibrado e dentro dos parâmetros desejados para conseguir manter o foco no trabalho. Uma pessoa com algum comprometimento emocional em qualquer área da vida, requer uma necessidade de canalizar energia para o que está sendo desconfortável para ela”, complementa Campos.

LEIA MAIS: Como o psicológico influencia na produtividade dos funcionários

Nesse sentido, Vitor comenta que os problemas de saúde mental atrapalham claramente o rendimento no trabalho. “Você não consegue focar energia no que de fato precisa e muito menos liberar o seu potencial criativo. Você acaba não conseguindo desenvolver as suas atividades. Acho que você gasta tanta energia preocupado, ansioso e estressado que você não consegue focar energia do que fato precisa”, diz.

A Organização Mundial da Saúde (OMS), então, redigiu uma recomendação sobre as práticas de saúde mental nas empresas e os seus impactos. No disposto, a organização comenta que iniciativas para promover a apoiar os transtornos mentais dos funcionários melhoram a saúde das pessoas e aumentam a produtividade. No entanto, “um ambiente de trabalho negativo pode levar a problemas de saúde física e mental, uso nocivo de substâncias ou álcool, absenteísmo e perda de produtividade”, complementa.

Aliás, adotar políticas que tratam do bem-estar no trabalho podem aumentar a produtividade em até 12%, de acordo com a Mental Health Foundation. Por conta disso, investir num sistema de tratamento psicológico pode ser fundamental para a produtividade nas organizações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.