Amor platônico: causas e aspectos psicológicos

adolescente-sofrendo-por-amor-platonico

O amor platônico é uma forma de conexão afetiva que transcende o desejo sexual ou sensual, sendo fundamentado no conceito mais amplo de amor. Entretanto, a expressão “amor platônico” tornou-se comum, referindo-se a uma experiência na qual a intensidade do afeto não encontra correspondência mútua. 

Nesse contexto, o foco recai na dimensão espiritual e idealizada do amor, destacando-se pela ausência de uma relação romântica concretizada.

O amor platônico para a psicologia

O amor platônico pode ser entendido como uma manifestação da libido, que é definida como a energia psíquica que impulsiona a busca pela satisfação. Todavia, dentro do cenário de amor platônico, o indivíduo guia sua libido para um objeto idealizado, projetando em algo ou alguém um modelo de amor ideal, imaginando a perfeição.

Entretanto, é importante destacar que o amor platônico pode se tornar uma fonte complexa de emoções. Ele pode proporcionar felicidade e satisfação quando os sentimentos são correspondidos, mas também pode ser causa de angústia e frustração quando as expectativas não são atendidas.

Contudo, essa dicotomia emocional dentro do cenário do amor platônico acrescenta uma camada de complexidade ao entendimento psicológico desse fenômeno, explorando a interação entre desejos, projeções idealizadas e as realidades das relações humanas.

O que faz uma pessoa ter amores platônicos? 

O fenômeno dos amores platônicos pode ser compreendido à luz da teoria freudiana, que salienta que o corpo humano é impulsionado por pulsões, representando uma busca por algo ausente em nós mesmos. 

Dessa forma, quando não conseguimos satisfazer essas carências de maneira apropriada, surge a tendência de idealizar objetos de afeto inatingíveis. Logo, a falta de concretização desse encontro idealizado resulta em uma acumulação de tensão. 

Portanto, diante da impossibilidade de realizar essa ligação desejada, essa carga de tensão retorna a um estado primário, aguardando uma nova tentativa de satisfação. Assim, o ciclo de amores platônicos pode ser interpretado como uma expressão da busca incessante por preencher lacunas emocionais e alcançar a satisfação emocional desejada.

Características de um amor platônico

Na busca de um amor platônico, o indivíduo marca sua relação com uma idealização profunda do objeto de afeto, atribuindo-lhe qualidades perfeitas e admiráveis. Portanto, essa forma de amor assume uma natureza unilateral, com o objeto da afeição ausente de reciprocidade.

Algumas características do amor platônico são:

  • Impossível;
  • Não correspondido;
  • Fantasioso;
  • Ilusório;
  • Sem desejo sexual.

Diferentemente de relações mais físicas, o amor platônico é mais espiritual e emocional. Sendo assim, persiste mesmo diante da não realização, resistindo à falta de correspondência. Logo, o objeto do amor muitas vezes é inatingível devido a barreiras como distância, circunstâncias ou falta de disponibilidade emocional.

Os impactos psicológicos da busca constante

A intensa idealização do objeto de afeto, combinada à ausência de reciprocidade, frequentemente resulta em sentimentos persistentes de frustração e desapontamento. 

Dessa forma, a autoestima, quando se está apaixonado platonicamente, pode ser significativamente afetada, gerando dúvidas sobre o próprio valor e atratividade.

A busca constante, por vezes, distorce a percepção do que constitui um relacionamento saudável, nutrindo expectativas irrealistas. No entanto, esse ciclo repetitivo torna-se um desafio a ser superado, dificultando a quebra do padrão. Logo, em situações mais extremas, buscar apoio psicológico profissional pode ser necessário para lidar de maneira eficaz com os impactos emocionais subjacentes.

Agende agora uma consulta com psicólogo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.