Como o psicológico influencia na produtividade dos funcionários

produtividade

Você já teve momentos nos quais o seu corpo estava presente, mas sua mente não? Ela estava distante pensando em outra coisa ou, simplesmente, ausente e desconectada do que estava acontecendo?

No ambiente corporativo, conhecemos este fenômeno, cada vez mais comum, como presenteísmo e ele afeta diretamente a produtividade. Tal circunstância acontece quando a pessoa se apresenta para o trabalho, mas não consegue desempenhar suas funções, pois está mentalmente ausente.

Sendo assim, trata-se, basicamente, de um estado em que estamos absortos emocionalmente e sem conexão com o emprego. Tal fenômeno gera falta de foco e pensamento distante, comprometendo diretamente a saúde do funcionário e a sua correspondente contribuição com o trabalho.

O termo ainda é novo, mas essa situação ocorre há mais tempo do que conseguimos realmente imaginar.

LEIA MAIS: Quanto custa ignorar a saúde mental?

O presenteísmo é abrangente e pode aparecer sob diversas formas, como por exemplo, quando o funcionário vai trabalhar mesmo estando doente (seja por questão física ou emocional) ou quando ele estende o horário do expediente e trabalha mais horas do que a necessidade real.

Diversos motivos estão correlacionados ao presenteísmo. Dessa forma, preocupações rotineiras, medo de perder o emprego, problemas financeiros, complicações de saúde e questões de relacionamento podem construir um contexto prejudicial ao trabalhador.

Entretanto, é possível traçar uma relação direta entre esse fenômeno e as questões de saúde mental, como transtornos de ansiedade, depressão e a síndrome de Burnout. Somente no caso da depressão, por exemplo, 80% das pessoas com a doença relataram algum nível de comprometimento funcional, de acordo com o estudo “Working Well”.

Nesse sentido, a falta de cuidado com o lado emocional traz como sintoma o presenteísmo, que, por sua vez, impacta diretamente a produtividade. Inclusive, segundo uma pesquisa, pessoas com problemas de saúde mental tiveram uma produtividade seis vezes menor do que os seus companheiros de trabalho que possuem um bom estado emocional.

Afinal, o que é produtividade?

De acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), produtividade refere-se a quão eficientemente os recursos são usados. Sendo assim, a produtividade do trabalho aumenta quando ocorre o melhor uso de todos os fatores da produção.

Muitas pessoas possuem a ideia errada sobre esse conceito, pois acreditam que a quantidade de coisas gerada é o aspecto central da questão. Entretanto, ela é, de fato, mensurada pela eficiência em se completar determinada atividade. Por conta disso, requer soluções flexíveis e coerentes para cada situação.

E como a saúde mental influencia na produtividade?

Quando nos sobrecarregamos ou não estamos bem emocionalmente, não conseguimos atuar no nosso melhor e perdemos a nossa criatividade e agilidade.

Nessas situações, ficamos paralisados e passamos a fazer as coisas do jeito que sempre fazemos. Ou seja, trabalhamos da maneira mais conhecida e automática, pois gera menos esforço – porém nem sempre ela será a forma mais assertiva.

Inclusive, essa atitude pode trazer consequências, porque, na medida em que as demandas aumentam, teremos que dedicar mais tempo para fazer as mesmas coisas e deixamos de buscar novas possibilidades. Nessas condições, a ansiedade e o presenteísmo são praticamente inevitáveis.

LEIA MAIS: 5 iniciativas para promover saúde mental no trabalho

Além disso, pode se tornar difícil atender nossa própria satisfação e encontrar propósito no que fazemos. Sendo assim, nossa saúde mental fica em risco e nosso rendimento diminui. Aliás, 61% das pessoas admitiram que a sua produtividade foi prejudicada por conta de questões de saúde mental, segundo uma pesquisa da Mind Share Partners, SAP e Qualtrics.

Dessa forma, temos um cenário muito desafiador pela frente. Por conta da velocidade com a qual as mudanças têm acontecido no mundo, as empresas estão exigindo cada vez mais das pessoas, porém, o impacto emocional e financeiro disso pode ser visto nos números.

Nesse sentido, uma pesquisa internacional realizada com mais de 8 mil funcionários constatou que a perda de produtividade devido ao presenteísmo custa somente ao Brasil 63,3 bilhões de dólares por ano.

E como mudar esse cenário?

Como vimos, muitas pesquisas apontam para o prejuízo financeiro dessa questão, porém, devemos também focar nos benefícios que uma boa saúde mental pode causar dentro das empresas. Sendo assim, números alarmantes podem ser transformados em dados inspiradores.

Dentro desse contexto, a OMS aponta que para cada dólar investido em tratamento para transtornos mentais comuns, há um retorno de quatro dólares em melhoria da saúde e produtividade.

Além disso, de acordo com o estudo “Tendências Globais de Capital Humano” de 2018, 61% das empresas entrevistadas afirmaram que programas de bem estar oferecidos melhoram a produtividade e os resultados financeiros da marca.

Dessa forma, o processo E como mudar esse cenário? terapêutico é uma alternativa que ajuda a trazer maior consciência da questão. Cuidar da nossa saúde mental traz benefícios a longo prazo na satisfação, qualidade de vida e também na produtividade sustentável das organizações.

Artigo anteriorQuanto custa ignorar a saúde mental?
Próximo artigoO impacto da saúde mental na ausência dos funcionários
Psicóloga Priscila Yumi Hara - CRP 06/97156
ou psicóloga graduada em 2007 e pós graduada pela Universidade Mackenzie. Possuo grande vivência organizacional em desenvolvimento de pessoas. O maior investimento a se fazer é em nosso desenvolvimento pessoal e a terapia pode te ajudar. Utilizando a abordagem Analítica (Junguiana), observaremos e abordaremos as dificuldades do seu dia a dia, situações difíceis já vivenciadas, expectativas e necessidades de mudança, através de reflexão e, eventualmente, a análise de sonhos. É comum se deparar com a falta de satisfação, seja em relacionamentos ou mesmo nossas próprias atitudes, que parecem sair de controle. O autoconhecimento é o primeiro passo neste processo. Além de apoiar pontualmente situações difíceis, como a ansiedade, luto, tristeza, depressão, a terapia é um processo de transformação que tem por objetivo apoiar-nos para sermos mais conscientes em nossas atitudes, escolhas e, consequentemente, mais satisfeitos em nossas vidas. Realizo atendimentos a adolescentes, adultos e casais. Se acredita que a terapia poderá ajudar, agende uma sessão! “Sua visão se tornará clara somente quando você olhar para dentro do seu coração. Quem olha para fora, sonha; quem olha para dentro, desperta”. ― C.G. Jung

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.