Vício não é só dependência química! Saiba o que é ser considerado um viciado

0
2728
vícios

A série americana “This Is Us“, transmitida pela NBC, acompanha a história da amorosa família Pearson, que embora muito unida, não escapa aos dramas que o vício pode causar. Jack Pearson é o modelo de marido e pai presente e carinhoso, mas não conseguiu fugir da sombra de seu próprio pai alcoólatra. Seus filhos, Kevin, Kate e Randall, acompanharam a luta dele contra o álcool, e embora sofressem vendo as crises do pai, também trilharam sua própria jornada ao lado do vício: bebida, comida e trabalho, respectivamente.

O que a ficção nos conta acerca do tema é comprovado pela ciência. Além dos fatores externos, sabe-se que a genética tem muita influência na herança dos vícios. A Universidade de Fudan, em Xangai, China, divulgou uma pesquisa com roedores em que relata a propensão genética às drogas, por exemplo.  Os cientistas observaram que os animais cujos pais tiveram contato com a cocaína eram os mais propensos a ter o vício. Nos seres humanos, isso ocorre em cerca de 20%  das pessoas com esse histórico.

Em seu site, o Dr. Dráuzio Varella também explica: “O alcoolismo tende a ocorrer com mais frequência em certas famílias, entre gêmeos idênticos (univitelinos), e mesmo em filhos biológicos de pais alcoólicos adotados por famílias de pessoas que não bebem.”

O que é “vício”?

Quando falamos em vício, a primeira coisa que vem à cabeça é o álcool e as drogas. Porém, o que muita gente esquece é que o vício não se limita somente a isso, mas a uma série de fatores que fazem desse problema algo muito mais profundo do que pensamos.

A palavra vício tem origem do latim “vitium” e significa “falha ou defeito“. Para o dicionário Aurélio, a definição de vício é: Tornar mau, pior, corrompido ou estragado; alterar para enganar; corromper-se, perverter-se, depravar-se. Já para a Organização Mundial da Saúde (OMS), é uma doença física e psicoemocional.

No entanto, a psicologia vai mais à fundo e investiga não só as consequências, mas também as motivações, origens e características do vício e de seus dependentes. A área também entende o vício como um mecanismo de fuga emocional que visa a obtenção de prazer e extinção da dor. 

O que caracteriza um vício?

O limite entre um hábito e o vício está nas consequências que eles causam na vida da pessoa. O vício afasta o indivíduo de sua essência e faz com que foque mais na obtenção do prazer através da dependência do que na vida que antes levava, nem que isso signifique se afastar de amigos e familiares, mentir, se prejudicar no trabalho e mudar completamente o curso de suas ações, objetivos e sonhos. 

Tipos de vício

Vício em álcool

Mais de 2 milhões de pessoas sofrem com o alcoolismo no Brasil e 3.3 milhões morrem todo ano decorrente desse vício. Os homens são os mais suscetíveis, num total de 70% dos casos, enquanto as mulheres correspondem a 30%.

Mas, afinal, o que é alcoolismo? Segundo o Hospital Israelita Albert Einstein, alcoolismo, ou ainda, etilismo, como também é conhecido,”é caracterizado pela vontade incontrolável de beber, falta de controle ao tentar parar a ingestão, tolerância ao álcool (doses cada vez maiores para sentir os efeitos da bebida) e dependência física, que se manifesta com sintomas físicos e psíquicos nas situações de abstinência alcoólica”.

O que leva uma pessoa a beber?

Alguns problemas emocionais como ansiedade, angústia e insegurança podem ser grandes facilitadores para alguém começar a beber. Além disso, ter fácil acesso ao álcool e a própria genética, como já explicamos anteriormente, aumentam as chances de dependência ao álcool.  Uma das portas de entrada também pode ser a vontade de socializar, fazer amigos e ser aceito num grupo, já que alguns dos efeitos do álcool são a euforia e a desinibição.

Sintomas de Alcoolismo

O alcoólatra muitas vezes não tem consciência de que é mesmo dependente da bebida. Porém, existem alguns elementos que facilitam as pessoas ao redor, ou mesmo o dependente, a como identificar um alcoólatra. Dentre alguns sinais estão a falta de controle sobre o uso e  tolerância cada vez maior à bebida

A abstinência, ou seja, quando o dependente interrompe a ingestão da bebida, seja por vontade própria ou por falta dela no momento, causa alguns sintomas físicos e mentais, como:

  •  tremores nos lábios;
  • tremores nas mãos e pés;
  • náuseas e vômitos;
  • suor excessivo;
  • ansiedade e irritação;
  • confusão mental.

Essas são algumas consequências do alcoolismo. Mas, não são só os efeitos físicos e mentais que trazem estragos à vida das pessoas. Os danos nos relacionamentos pessoais e profissionais levam muitos alcoólatras à depressão e outras doenças.

Doenças causadas pelo álcool

  • hepatite ou cirrose hepática;
  • depressão;
  • impotência ou infertilidade;
  • gastrite;
  • infarto;
  • trombose;
  • anorexia alcoólica;
  • demência;
  • câncer.

Tratamento do alcoolismo

O tratamento para o alcoólatra deve, primeiro, ser um passo dado por ele mesmo. O dependente deve querer largar o vício. Em seguida, ele ou a família devem procurar um psicólogo ou psiquiatra, que entrará com o tratamento adequado. 

Por ser uma doença crônica, o alcoolismo não tem cura, porém é possível ter uma vida saudável e se afastar para sempre do vício!  Como ajudar um alcoólatra? Com apoio familiar, desintoxicação sob supervisão médica e a reabilitação, o indivíduo tem plenas chances de ter uma vida norma. 

Vício em tecnologia

A era da tecnologia criou um novo vício. Mais e mais pessoas tornam os aparelhos celulares, tablets, videogames, etc, extensões de seus corpos. 2018 foi o ano em que a Organização Mundial da Saúde incluiu o vício em videogame na sua lista oficial de doenças. Essa informação gerou muita controvérsia pois diversos pesquisadores acharam drástica a medida tomada pela organização.

A Universidade Estadual de São Francisco, na Califórnia (EUA), realizou um estudo no qual se constatou que o vício em smartphones, por exemplo, forma conexões neurológicas parecidas com as de viciados em opiáceos.

Com medo dos efeitos que o vício em jogos online estava causando aos jovens, a Coreia do Sul adotou um toque de recolher para menores de 16 anos, em 2011. A medida não funcionou, afinal, os jovens encontraram outras coisas para fazerem de madrugada além de jogar.

O vício em internet e em redes sociais assusta. A empresa de marketing Digital Clarity fez um levantamento em que  16% admitem gastar mas de 15 horas por dia na internet.

Mas por que estamos tão viciados?

Assim como muitas outras dependências, o vício em games, internet, e tecnologias em geral pode estar associado à baixa autoestima, depressão e mal-estar. Além disso, a conexão às redes sociais permite uma satisfação pessoal com o ego.

Eduardo Guedes, pesquisador e membro do Instituto Delete – primeiro núcleo do Brasil especializado em “desintoxicação digital” na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), comenta esse vício em entrevista concedida à BBC: “Falar de si gera um prazer equivalente a se alimentar, ganhar dinheiro ou fazer sexo. E em 90% do tempo as pessoas estão falando de si nas redes sociais, com feedback instantâneo. Em uma conversa normal, em 30% do tempo normalmente se fala sobre si”.

Consequências

Segundo a Universidade da Coreia, em Seul, na Coreia do Sul,  adolescentes viciados em tecnologias como videogames, jogos online, internet e redes sociais, têm maior propensão para sofrerem com depressão, ansiedade, insônia e impulsividade. A dependência também provoca alterações no balanço químico no cérebro.

Outros vícios

1 em cada 5 pessoas no mundo fuma cigarros. Essa é a estimativa da OMS, que também complementa que a dependência da substância mata 7 milhões de pessoas por ano.

O tabagismo é um dos vícios mais comuns e banalizados do mundo. Apesar de ser legalizado, o cigarro é uma droga e pode causar diversas doenças.

Consumir alimentos compulsivamente também é vício, e é considerado um transtorno, de acordo com a OMS. Comer rapidamente, em grandes quantidades e até sentir-se cheio é um dos sinais do transtorno de compulsão alimentar periódica. Ás vezes, o paciente prefere fazer suas refeições sozinho por vergonha e culpa e também costuma comer mesmo sem estar com apetite.

Confira aqui os vícios mais comuns existentes:

  • drogas ilícitas;
  • trabalho;
  • jogos de azar;
  • pornografia;
  • sexo;
  • medicamentos;
  • entre outros.

Como se livrar de um vício?

Como tratamos anteriormente, o vício é um mecanismo de fuga em que o indivíduo passa a depender dos prazeres que sente ao consumi-lo. Ou seja, não necessariamente é o álcool ou as drogas que vai destruir a vida de alguém. A internet, o sexo, a pornografia, o trabalho…tudo em excesso prejudica e faz mal à saúde mental. Todo o vício é corrosivo.

Tratamento psicológico

Seja o vício em álcool e drogas ou vício em internet e trabalho, existem maneiras de controlá-los. O caminho mais recomendado é a procura de um psicólogo ou psiquiatra. Esse profissional, além de investigar as origens do problema, também irá traçar técnicas para que a dependência emocional termine. Essa dependência emocional é atrelada ao que o indivíduo sente quando consome a fonte de seu vício. Alguns alegam sentir-se mais confiantes, interessantes e sociáveis quando em contato com o álcool, drogas, etc.

É preciso desassociar a ideia positiva que o vício traz, e para isso, o psicólogo usará de muitos métodos para conseguir atingir esse objetivo. Além disso, irá tratar os efeitos causados pela dependência, como a depressão, ansiedade, baixa autoestima, dentre outras consequências psicológicas que o vício acarreta.

Grupos de apoio como o Alcoólicos Anônimos (AA) também é um passo importante e muito procurado por quem sofre com o alcoolismo, por exemplo. O importante é o dependente admitir para si mesmo e para os outros que tem um problema e que quer ser curado. Se você enfrenta algum tipo de vício, não lute sozinho. Procure ajuda!

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.