Conheça 5 sinais de síndrome do pânico!

0
513
sinal de pânico

O Brasil tem a maior taxa de transtornos de ansiedade do mundo! Conheça os sinais de síndrome do pânico, um dos tipos de transtorno de ansiedade.

A síndrome do pânico, também conhecida por transtorno do pânico, se caracteriza por episódios intensos e inesperados de profundo medo, angústia e desespero. A pessoa que sofre da síndrome tem crises em que o sentimento de morte toma conta e pensa que, a qualquer minuto, algo ruim pode acontecer, mesmo que não exista perigo ou motivo para tais sentimentos.

Confira qual é a diferença entre síndrome do pânico e medo ou continue lendo esse artigo e entenda quais são os principais sintomas da síndrome do pânico:

1 – Sentimento de angústia pela morte

Um dos sintomas mais intensos no transtorno do pânico é a impressão de que a pessoa vai morrer naquele momento de um ataque cardíaco, porque o coração dispara e ela sente falta de ar.

Por ocorrer de forma inesperada, as crises do pânico geram uma rapidez súbita das funções cardíacas, por isso que o coração dispara e faz com que o indivíduo não consiga respirar.

2 – Ansiedade

Boca seca, taquicardia, falta de ar, tremores, mal-estar, sufocamento, tonturas…a ansiedade se manifesta no corpo dessa maneira e pode ser observada numa crise do pânico. A diferença é que na síndrome do pânico, esses sinais físicos típicos da ansiedade acontecem de forma abrupta e inesperada.

“O que caracteriza o pânico é a forma abrupta e inesperada que os sintomas aparecem e o fato de a crise atingir o ápice em dez minutos. Na verdade, muitas vezes, bastam 30 segundos para o paciente, que estava se sentindo bem, ser tomado inexplicavelmente por sintomas que, de certa forma, todos conhecemos.”, explica o Dr. Márcio Bernik, médico psiquiatra da Universidade de São Paulo em entrevista ao Dr. Drauzio Varella.

3 – Medo de perder o controle

Dentre os sinais de ataque de pânico está a tensão e angústia da crise acontecer. Essa ansiedade se dá porque, nas crises, o indivíduo perde o controle de si mesmo. Mesmo depois do episódio terminar, a mente não descansa. 

Os ataques acontecem sem aviso prévio, e também em qualquer período do dia ou situação. Por esse motivo,  muitas pessoas que enfrentam os sintomas possuem medo de, enquanto estarem em público, como dirigindo, em meio a uma reunião de trabalho, entre outras situações, a síndrome ataca-la, causando constrangimento.

4 – Palpitações, ritmo cardíaco acelerado e taquicardia

Muitas pessoas que estão na crise do pânico pensam que estão sofrendo um ataque cardíaco. A confusão é normal, pois o sintoma lembra muito o de um infarto. As amígdalas cerebrais entram em profunda atividade quando recebe o bombeamento sanguíneo. Elas são estruturas responsáveis pelo medo e apreensão e que, durante as crises inesperadas, liberam adrenalina no organismo. A adrenalina é o hormônio que emite um sinal de alerta no corpo para que ele se prepare para situações de perigo.

5 – Sensação de estar fora da realidade

Em crises severas, a pessoa com crise do pânico enfrenta um fenômeno de desassociação do próprio corpo e do ambiente em que está, ou seja, ela tem dificuldade de reconhecer pessoas e a si mesma. 

Tratamento da Síndrome do Pânico

As consequências da síndrome do pânico na vida da pessoa que sofre do transtorno são profundas e paralisantes. O objetivo do tratamento é justamente frear as crises e diminuir sua intensidade com base nos fatores que desencadeiam as crises.

A primeira fonte geralmente é a psicoterapia. Nela, o médico psiquiatra analisa as causas e direciona as técnicas terapêuticas direcionadas ao caso particular do indivíduo.

A Síndrome do Pânico não tem cura, porém, nos termos psiquiátricos, diz-se em “remissão de sintomas” . O tratamento do transtorno apresenta bons resultados na maioria dos casos e pode ser finalizado em poucas semanas. Mas, é claro, existem quadros em que o tratamento é mais longo e, por vezes, as sessões de psicoterapia devem ser frequentes e mantidas ao longo da vida, assim como o uso de medicamentos.

É importante que o paciente entenda que de maneira alguma é vergonhoso procurar ajuda. Ela será realmente válida para conseguir amenizar os medos que são gatilhos das crises e, tentar reduzir os sintomas que o transtorno causa. 

Existem algumas dicas de como controlar ansiedade e estresse. Confira aqui a lista completa!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.