Entenda mais sobre o afastamento do trabalho por questões psicológicas

0
13410
afastamento do trabalho

As questões psíquicas estão entre as três principais causas de afastamento do trabalho no Brasil

178.268 pessoas. Esse foi o número de pessoas que se afastaram do trabalho por conta de transtornos mentais e comportamentais em 2016, segundo um levantamento da Secretaria de Previdência do Ministério da Fazenda.

No Brasil, os problemas psicológicos representam a terceira causa de incapacidade dos trabalhadores. Além disso, esses números correspondem a 9% da concessão de auxílio-doença e aposentadoria por invalidez realizada.

LEIA MAIS: A importância da saúde mental no trabalho: doenças psicológicas e o afastamento

Sobre o assunto, o coordenador de Saúde Mental do Ministério da Saúde, Quirino Cordeiro, comenta que “esses números mostram a importância da saúde mental no ambiente de trabalho. E como esse local pode, se não for um ambiente bem organizado e que leve em consideração a saúde do trabalhador, ser danoso para o funcionário”.

Agende agora uma consulta com psicólogo

Nesse sentido, são diversos os responsáveis pelo afastamento das pessoas no trabalho. A depressão, a ansiedade, o esgotamento profissional e até o uso de substâncias psicoativas podem resultar no abandono das funções.

Isto pode ser explicado pela presença de ambientes com pouco apoio social, as excessivas demandas e cobranças, recompensas inadequadas e comprometimento excessivo dos trabalhadores.

Como acontece o afastamento por doença mental?

Antes de qualquer coisa, é necessário ressaltar que qualquer doença psiquiátrica pode justificar o afastamento de funcionário. Para tal, é preciso que a condição incapacite a pessoa de exercer as suas funções laborais, conforme explica o artigo 59 da Lei 8.213, de 1991.

Para conseguir o afastamento pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), é necessário realizar um acompanhamento médico para verificar a condição do indivíduo. Nesse primeiro momento, o profissional irá avaliar se as questões psicológicas são causadas pelo ambiente de trabalho e se elas estão incapacitando a atuação daquela pessoa. Nesse sentido, o diagnóstico realizado terá que comprovar que a condição foi gerada dentro da empresa.

No caso desse diagnóstico, a empresa é obrigada a comunicar o INSS da ocorrência, por meio do CAT (Comunicação de Acidente do Trabalho). Dessa forma, será encaminhado o trabalhador à perícia médica da instituição para uma avaliação mais completa. Sendo assim, é importante levantar os laudos médicos obtidos anteriormente para a documentação necessária ao solicitar o benefício.

LEIA MAIS: Ansiedade no trabalho: Como a ansiedade e medo no trabalho podem atrapalhar

De acordo com a diretora do SIMERS e médica perita, Clarissa Bassin, “o afastamento por doenças psiquiátricas é igual ao afastamento gerado por outras doenças. O que o perito analisa é se o problema realmente incapacita para o trabalho”. Então, após a análise, o especialista irá estimar o prazo necessário para a recuperação do trabalhador.

Dessa forma, nesta perícia junto ao INSS é possível também provar se a incapacidade é temporária ou definitiva, que dará direito ao auxílio doença ou à aposentadoria por invalidez.

Conheça a clínica de terapia online Telavita

Todos os colaboradores que passam por esse tipo de situação precisam de apoio social. Essas pessoas vivenciam situações ruins e tentam se esforçar para derrubar todos os obstáculos criado pelo psicológico. O afastamento por doença do trabalho não é fácil.

Por isso, é importante também a figura de um psicólogo para fazer o acompanhamento desse indivíduo. Somente assim, será possível compreender as diversas esferas do problema e eliminar a questão que causa prejuízo.

Causas psicológicas do afastamento do trabalho

O afastamento do serviço por doença mental nunca é fácil. Ainda existe um certo preconceito em relação a esses problemas, tanto que alguns empregadores dificultam as saídas por esses motivos.

Mesmo assim, é necessário entender a importância da situação. Cada vez mais, é possível perceber que os funcionários apresentam questões psicológicas, sejam elas incapacitantes ou não. Portanto, conhecer os transtornos mais comuns que afetam os trabalhadores é fundamental.

Dessa forma, confira quais os tipos de afastamento do trabalho por questões psicológicas.

Depressão

Normalmente, jornadas longas e exaustivas de trabalho causam um estresse emocional grande nos funcionários. Além disso, a utilização de metas agressivas e a constante falta de reconhecimento consegue influenciar no comportamento depressivo.

LEIA MAIS: Burnout e o esgotamento psicológico no trabalho

Nesse sentido, o empregado acaba sendo levado ao limite dentro do ambiente de trabalho e pode apresentar sinais da doença. Assim, tais situações extremas também levam ao afastamento pelo INSS por depressão

Pessoas depressivas apresentam sintomas de tristeza constante e perda total de interesse nas atividades cotidianas. Ainda, é preciso tomar cuidado e analisar as atitudes dessas pessoas, pois elas podem apresentar maior risco de suicídio.

Síndrome de Burnout

Uma das síndromes mais comuns dentro do ambiente corporativo é a síndrome do Burnout, também conhecida como síndrome de esgotamento profissional. Dessa forma, trata-se de um esgotamento de toda a reserva física e mental do indivíduo, por conta da carga excessiva de trabalho e de um ambiente tóxico.

Sendo assim, é comum observar os colaboradores irritados, desanimados e com sensação de fracasso. Segundo a OMS, aproximadamente 30% dos empregados sofrem dessa síndrome no Brasil. O afastamento da empresa é uma consequência.

TAG – Transtorno de ansiedade generalizada

O TAG se configura por quadros prolongados de ansiedade que impedem a pessoa de realizar atividades simples. Normalmente, quem sofre dessa doença tem preocupação excessiva sobre tudo e não consegue se desligar tanto dos problemas pessoais, quanto do trabalho.

A condição, geralmente, aparece após episódios de estresse. Nesse sentido, é possível perceber na pessoa alguns sintomas físicos, como fadiga, insônia, dores de cabeça e no estômago; além dela apresentar dificuldades na concentração e na realização de tarefas.

Encontre seu psicólogo online

Consumo de substâncias psicoativas

A dependência de substâncias psicoativas é reconhecida pela OMS como algo que gera compulsão. Além disso, retira o poder de entendimento e discernimento das pessoas. Portanto, é algo que precisa ser analisado com cuidado.

LEIA MAIS: 5 iniciativas para promover saúde mental no trabalho

Um ambiente estressante de trabalho – e que gera ansiedade e angústia – consegue atuar como um fator crucial para os trabalhadores virarem usuários dessas substâncias. E pior, tal situação pode ser acentuada pelo desenvolvido de uma depressão ou outro transtorno mental.

Ainda, é preciso lembra que o colaborador diagnosticado como dependente não pode ser demitido. A empresa deverá afastá-lo de suas funções, como qualquer outro funcionário que necessite de tratamento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.