Dia Internacional da Mulher e as violências que as mulheres sofrem

Dia internacional da mulher

No dia 08 de março de 1957, operárias de uma fábrica de tecidos de Nova Iorque entraram em greve por melhores condições de trabalho e a manifestação terminou com muita violência. Conta-se que 129 mulheres morreram com um incêndio provocado pelos patrões. A data frisa a importância da mulher na sociedade e traz a narrativa da luta por seus direitos.

Esse evento é tão singular na história do Dia da Mulher, que a Organização das Nações Unidas (ONU) escolheu a data desses acontecimentos para homenagear as mulheres, suas lutas e suas conquistas.

LEIA MAIS: Psicólogas famosas: As 5 mulheres mais importantes da psicologia e psiquiatria

Porém, esse não é um caso isolado, já que sempre foram inúmeras as batalhas por melhorias na condição de existência. Foram realizados incontáveis protestos a favor de melhores condições de trabalho, de vida, direito ao voto, maternidade, etc.

E com todos esses desafios e vitórias, as mulheres continuam, no início do XXI, lutando por uma grande parte dessas reivindicações e enfrentando uma outra enorme “guerra” contra a violência e o assédio.

Violência contra a mulher

A Organização Mundial de Saúde (OMS) define violência como “uso intencional de força física ou poder, ameaçador ou real, contra si mesmo, contra outra pessoa ou contra um grupo ou comunidade, que resultem ou tenham a probabilidade de resultar em ferimento, morte, dano psicológico, mal desenvolvimento ou privação”.

A realidade, então, coloca a mulher em dois extremos. De um lado, vitórias e conquistas. De outro, a violência, tendo na maioria das vezes, o encontro com a morte. A violência contra a mulher no Brasil já aponta para 3 assassinatos de mulheres por dia, segundo as estatísticas. Além disso, a cada 2 segundos uma mulher é agredida.

Trata-se de um comportamento de agressividade complexo, que atinge todas as camadas da sociedade. São diversos os tipos de violência, porém é possível observar a persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira.

LEIA MAIS: As mulheres no mercado de trabalho: limitações ou preconceito?

Nesse sentido, foi reconhecido no país, em março de 2015, o feminicídio. Ou seja, foi caracterizado como um crime penal o homicídio contra a mulher pela simples condição de ser mulher. Além disso, a Lei Maria da Penha também possui importante posição, afinal, estipulou punições para atos de violência doméstico contra a mulher.

Vale trazer que mais comumente essas mortes são caracterizadas como resultado de violência doméstica. Entretanto, nos últimos 5 anos, percebe-se que estão em voga os relacionamentos afetivos e o comportamento emocional.

Os aspectos da violência de gênero

No meu exercício profissional, vejo diferentes casos que se perpetuam. Observo que a mulher seja na infância, na adolescência ou na sua vida adulta, enfrenta a violência da desigualdade social, das injustiças do mercado de trabalho e sua respectiva falta de emprego. Além disso, precisa lidar com as violências afetivas, a gravidez precoce, os abusos sexuais e o desmantelamento de suas vidas nas “violências”.

E o futuro dessas mulheres? Como elas lidam com essas condições? A intimidação, a humilhação, o isolamento e a insegurança aumentam a prevalência da depressão, da ansiedade e de ideias suicidas. Tratam-se de manifestações verificadas em comportamentos, que envolvem ou não, a parte da violência física, sexual, moral e verbal.

LEIA MAIS: Carreira feminina: a síndrome do impostor em mulheres

Os sintomas mais presentes ao vivenciar tais violências são: auto culpabilização com revivescência de todo o problema vivido; perda progressiva da autoconfiança pelo sentimento de impotência; alteração dos sistemas de valores; falta de interesse e motivação; vulnerabilidade e perda do controle da própria vida; alterações de ritmo e conteúdo do sono; disfunções sexuais; medo e etc.

Essas reações levam a comportamentos que mobilizam todas as esferas da vida e trazem vários prejuízos emocionais, no âmbito familiar, profissional e social. Além disso, pode ocorrer um aumento do uso de substâncias psicoativas (como álcool e/ou drogas), transtorno de estresse pós-traumático, mudanças fisiológicas no sistema endocrinológico, gastrointestinal, cardiorrespiratório e várias outras manifestações relacionadas ao estresse.

A importância da terapia nos casos de agressão contra mulher

Ainda, gostaria de mencionar que as mulheres vítimas de violência, em qualquer manifestação, necessitam de apoio, orientação psicológica e terapia, para enfrentamento e superação. Realizar um acompanhamento psicológico pode fazer a diferença na saúde mental da pessoa que passa por essas situações.

Na abordagem terapêutica, o objetivo é ter uma postura acolhedora e uma escuta ativa. O psicólogo procura oferecer alternativas de instrumentalização para lidar com todas essas emoções e comportamentos.

Durante a atuação, busca-se reconstruir o espaço doméstico, além de permitir a descoberta de formas de lutar pelos seus direitos. O profissional adota uma postura para compreender os desejos envolvidos e usa recursos sociais para a solução de problemas, criando, inclusive, condições de não repetir a situação problemática.

Mesmo assim, não é somente um texto sobre o Dia da Mulher que irá mudar tudo isso. Para que a comemoração do Dia Internacional da Mulher seja realmente efetiva, precisamos construir mudanças culturais e comportamentais em nossa sociedade. É necessário desconstruir a imagem da mulher vista como submissa, relegada ao meio doméstico e historicamente dominada pelos homens.

 

Artigo anteriorConheça os aspectos básicos da depressão
Próximo artigoAdolescência e o conflito de gerações
Psicóloga Sonia Pittigliani - CRP 06/14188
Psicóloga formada em 1982, me especializei em Psicoterapia Breve e Psicologia Hospitalar, tendo feito mestrado em Psicologia da Saúde. Toda minha vida profissional foi fundamentada numa postura ética humana, tendo trabalhado como psicoterapeuta (analítica dinâmica) em meu consultório, psicologia oncológica e psicologia hospitalar (UTI de adultos - politrauma, cardiologia e neurologia), sala de Emergência (atendendo tentativas de suicídio por intoxicação e dependência química) e também atuado como professora de Psicologia Educacional, em escolas estaduais no início de carreira, nas Faculdades Oswaldo Cruz (curso de especialização em Oncologia) e na UNICID (matéria de toxicologia clínica na Faculdade de Medicina e Psicologia Forense na Faculdade de Direito). No hospital fui Chefe da clínica de Psicologia Hospitalar (por três anos) e na clínica de oncologia coordenei a equipe multiprofissional. Atualmente atendo clinicamente, e desenvolvo um trabalho de mentoria. Agende uma consulta comigo aqui: https://www.telavita.com.br/app/psicologia-online/sonia-maria-campos-pittigliani

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.