Qual a diferença entre raiva e transtorno de agressividade? Saiba como diferenciá-los.

0
14164
raiva e transtorno agressivo

É natural sentir raiva. No filme da DisneyDivertida Mente aprendemos que todos os sentimentos são importantes para a nossa formação de caráter e personalidade, além de serem guias das nossas ações e comportamento. Mesmo os sentimentos considerados “ruins” como a tristeza, são necessários para nos moldar como seres humanos. A personagem Raiva aparece no filme para libertar a humana Riley de repressões que sofria e para expor toda a sua indignação com as situações que não a deixavam feliz e confortável. É importante saber diferenciar raiva e transtorno de agressividade, afinal, um pouquinho de raiva nos ajuda a evoluir e liberar as emoções contidas.

A raiva nos faz lidar com as emoções à flor da pele e a aprender como abrandá-las de modo que não prejudique o nosso bem-estar. Porém, quando o quadro de raiva extrapola o nível normal, é preciso tomar cuidado para não desencadear doenças como depressão, ansiedade e, em quadros mais graves, o Transtorno Explosivo Intermitente, popularmente conhecido como Síndrome de Hulk.

Agende agora uma consulta com psicólogo

O que é comportamento agressivo?

O comportamento agressivo em sua forma de atuação normal aparece como tensão e explosão de raiva de modo que alivie o indivíduo. Geralmente quem possui muita agressividade, canaliza toda a sua energia em explosões de raiva a fim de se livrar dessas emoções tão intensas.

Mas o grau desse temperamento agressivo pode passar dos limites e se tornar violento. Agressividade e violência não podem andar juntos, pois podem causar danos ao indivíduo e àqueles que o cerca.  É aí que mora o perigo e o limiar entre a raiva como um sentimento comum e um transtorno de agressividade.

LEIA MAIS: 5 sinais de que você é nervoso demais

Síndrome de Hulk – Agressividade e Violência

O Transtorno Explosivo Intermitente (TEI), é um comportamento agressivo, gerando acesso de fúria descontrolada, geralmente sem motivos aparentes, onde a pessoa perde o controle de seus impulsos violentos e pode agredir alguém através de palavras ou de forma física. Este descontrole também pode ser descarregado em animais ou objetos.

A síndrome é um tipo de Transtorno do Controle dos Impulsos
(TCIs), cuja categoria ainda inclui piromania e cleptomania, por exemplo. Segundo a American Psychiatric Association (APA), um estudo realizado nos Estados Unidos dentro do período de um ano revelou que cerca de 2,7% da população geral possui o TEI.  A pesquisa ainda apontou a predominância do transtorno na faixa etária entre 16-35 anos e com baixo nível de escolaridade.

A prevalência da doença é nos homens. Segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais  (DSM-5), para cada três homens, uma mulher sofre de TEI. No Brasil, o TEI atinge 3,1% da população.

Conheça a plataforma de terapia online da Telavita

Ao contrário dos acessos de raiva, as pessoas diagnosticadas com TEI possuem um menor controle de sua fúria, pois elas perdem rapidamente as noções de limites e seu controle físico.

É importante salientar que quem tem este transtorno não possui uma ação premeditada, tudo acontece de repente em sua mente e em seu corpo, é uma explosão de sentimentos agressivos que surgem sem dar sinal, sem avisar. Por este motivo, é muito importante descobrir deste cedo este mal para assim poder começar o tratamento indicado.

LEIA MAIS: O que é a Síndrome de Hulk e como ela aparece?

Sintomas do Transtorno Agressivo

Uma pessoa que fica com raiva facilmente nem sempre é portadora da síndrome. Para diferenciar é importante notar além da frequência de fúria, os motivos pelos quais ela foi desencadeada, se for por causas muito superficiais e aparentemente sem sentido, isso pode ser um indício, ou quando o paciente realmente perde sua capacidade de controle e parece cego, a impulsividade e agressividade o domina completamente.

  • Agressões físicas e ameaças verbais sem justificativa ou razão;
  • A pressão e batimentos cardíacos descontrolados;
  • Descontrole de atitudes onde objetos são quebrados e arremessados;
  • Sudorese e tremores no corpo;
  • Falta de controle sobre as próprias ações;
  • A pessoa se sente culpada após o ataque.

É importante procurar um psicólogo caso pense que seus níveis de raiva passam do limite ou que se adequam aos sintomas do TEI. Existem várias maneiras de como controlar a agressividade, e elas dependem de indivíduo para indivíduo. Meditação, exercícios físicos, yoga, esportes de impacto, terapia…todos eles podem ser recomendados, mas é vital conversar com o psicólogo para saber qual deles se encaixa no seu nível de raiva ou grau de TEI. 

O controle da agressividade é um aprendizado que só o tempo e o autoconhecimento podem ajudar. Por isso, a agressividade na psicologia pode ser tratada e revertida.

Encontre seu psicólogo online

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.