Riscos psicossociais do adoecimento físico e mental no trabalho

riscos psicossociais

Os números de afastamentos do trabalho e de atestados por saúde mental só crescem no Brasil e chegam a mais de 12% dos casos totais, segundo dados da Previdência Social. Entretanto, este é um mal que assola também o resto do mundo e, inclusive, em alguns países europeus o índice chega a 23%.

Tratam-se dos chamados riscos psicossociais. Ou seja, fatores e aspectos que podem contribuir para o comprometimento mental de indivíduos e estão diretamente relacionados ao estresse e ao esgotamento emocional.

Agende agora uma consulta com psicólogo

Existem diversas definições sobre os riscos psicossociais, mas podemos trazer que eles são oriundos, basicamente, de fatores ambientais (externos) somados a aspectos fisiológicos (internos). Dessa forma, surgem de acordo com modelos comportamentais familiares, sociais e culturais, assim como predisposições do nosso organismo físico.

Essa “soma” de fatores desencadeiam uma série de comprometimentos, como: estresse, esgotamento físico e mental, doenças psicossomáticas e diagnósticos de transtornos mentais e emocionais (depressão, ansiedade, compulsões, adições, etc).

Riscos psicossociais no trabalho

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) mostra que o estresse na atividade de trabalho pode levar a comportamentos deletérios para a saúde física, mental e das relações socioprofissionais.

Nesse sentido, ambientes tóxicos, ou seja, com assédios morais, pressão exagerada, alta demanda de trabalho e trabalhos por turnos, propiciam o surgimento de uma série de distúrbios. Além disso, empresas sem programas de atenção à saúde do trabalhador também contribuem para esse resultado negativo.

Aliás, nesses casos, os colaboradores podem desenvolver uma série de problemas, como:

  1. Uso de substâncias psicoativas: álcool, drogas em geral e abuso de medicações;
  2. Distúrbios do sono: apneia, falta de qualidade do sono, insônia, perda de concentração, atenção, reflexo, disforia (irritabilidade) e alteração da memória;
  3. Síndromes metabólicas: aumento ou perda de mais de 10% do peso corporal, aumento dos índices de colesterol e glicose, diabetes tipo II, hipertensão e doenças autoimunes.

Inclusive, sabemos que o risco de desenvolvimento de doenças autoimunes está diretamente ligado ao estresse contínuo e intenso nas atividades cotidianas, principalmente, as ocupacionais.

Nesse sentido, identificar os primeiros sinais de alteração fisiológica e de comportamento, pode garantir a possibilidade de busca por tratamentos adequados e precoces, ou seja, não permite que determinadas doenças se instalem.

LEIA MAIS: Como a saúde mental está relacionada ao trabalho?

Os sinais mais comuns para detectar doenças autoimunes são: alergias, vermelhidão na pele, edema no rosto e pálpebras, coceiras, dermatites atópicas e urticárias, dores nas articulações, cansaço, dificuldade de concentração, sensação de “ficar aéreo”, refluxo esofágico, dentre outros.

Já as doenças mais comuns são hiper e hipotireoidismo, fibromialgia, lúpus, psoríase, vitiligo, alergias em geral, de pele, alimentares e de agentes externos, como produtos de higiene e limpeza.

Problemas de transtornos mentais e emocionais

Os diagnósticos precisos para transtornos mentais devem ser realizados somente por profissionais da saúde, como médico(a) psiquiatra e psicólogo(a). Ou seja, somente especialistas com conhecimento em abordagens específicas de tratamento, em psicopatologia e técnicas de avaliação psicológica, podem realizar a análise.

Entretanto, é possível identificar os riscos de transtornos e sinais em sua própria vida e nas dos demais, principalmente, nas equipes de trabalho, com quem se interage a maior parte do dia, ainda que remotamente em alguns momentos.

Conheça a plataforma de terapia online da Telavita

Sinais de alerta dos riscos psicossociais

Dessa forma, selecionei alguns sinais de alerta para você verificar no seu cotidiano. Apesar de sutis, eles podem dar o indício de um risco iminente.

– Observe quando o colega ou colaborador que sempre foi presente, não comparece aos compromissos agendados e não cumpre horários. Verifique se existe uma tendência ao isolamento, silêncio, ausência, apatia ou dificuldade em se comunicar com os colegas e superiores;

– Fique atento para quando os indivíduos desenvolvem uma postura reativa, com queixas e reclamações constantes, sem trazer uma solução possível ao que é demandado;

– Preste atenção para pessoas que passam a ter dificuldade para compreender o que é solicitado. E, principalmente, em questões do âmbito de seu domínio técnico e para o qual não demonstrava dificuldades anteriores;

LEIA MAIS: Como controlar o estresse no trabalho

– Outro ponto de alerta são comportamentos como euforia, falsa sensação de alegria, positivismo exagerado e negação da realidade concreta, mesmo diante de situações complexas, perdas e lutos;

– Observe se ocorrem ausências constantes e sem planejamento para tratamentos médicos e de saúde em geral. Isto é, aquele profissional que passa a ir constantemente a médicos e a trazer atestados além do que fazia normalmente;

– Preste atenção para aqueles que passam a promover conflitos entre membros de equipes, fofocas e intrigas, causando constrangimento e situações de exposição de si mesmo e de colegas;

– Por último, e ainda importante, perceba sinais de medo de mudanças, falta de flexibilidade e adaptabilidade frente aos acontecimentos.

O que fazer diante dos riscos psicossociais?

Entretanto, igualmente importante a identificar os riscos psicossociais, está também saber o que fazer diante dessa situação. Desse modo, o primeiro passo é procurar a área de Recursos Humanos da empresa, afinal, é ela quem cuida do ativo mais importante das companhias: as pessoas.

Aliás, é fundamental reportar à essa área a preocupação com os colaboradores, pois, somente assim, será possível que sejam realizados encaminhamentos médicos e psicológicos apropriados.

Uma vez ciente da situação, a área de Recursos Humanos será capaz de acolher, desenvolver empatia, chamar para conversas “one-a-one” e se colocar à disposição para apoiar a pessoa no processo de busca por solução dentro da realidade dela.

LEIA MAIS: Produtividade e saúde mental: qual a sua relação?

Entretanto, é importante manter o sigilo nessas situações. Esse aspecto é fundamental para estabelecer vínculos saudáveis para promoção de saúde e responsabilidade emocional com os indivíduos. Desse modo, todo e qualquer assunto identificado deve ficar entre os membros principais envolvidos, como um “pacto” de silêncio e respeito pela pessoa e situação.

Nesse sentido, é papel da empresa auxiliar o profissional em seu desenvolvimento de habilidades, com capacitação e mentoria. Entretanto, também é papel dela incentivar a busca pelo equilíbrio da saúde em seus sete pilares principais: físico, social, espiritual, familiar, profissional, intelectual e financeiro.

Porém, o mais importante nesta identificação de fatores e riscos psicossociais é a prática humana do olhar gentil para quem está em volta, com empatia e acolhimento. A pergunta que podemos fazer é: “O que você gostaria que fosse feito por você?”. Lembre-se que a saúde não pressupõe a ausência de sofrimento, mas a possibilidade de transformá-lo.

Encontre seu psicólogo online
Artigo anteriorPsicólogo Care Plus: como fazer uma consulta online
Próximo artigoTerapia é coisa de louco?
Psicóloga Silvia Zoffmann - CRP 06/54310
Sou Psicóloga graduada pela PUC-SP - Brasil, com formação em Psicanálise e em Psicologia Analítica Junguiana, com sólida atuação em atendimentos presenciais em consultório, ambulatório de saúde mental e online em Psicologia Clínica para adultos, com ênfase em: autoconhecimento | sofrimento psíquico; conflitos pessoais e de relacionamentos; depressão | ansiedade | transtornos emocionais e comportamentais; síndrome de Burnout | estresse crônico; demissão | desemprego | transição de carreira; demais questões relacionadas ao trabalho e produtividade. Com atuação tanto corporativa (em empresas), como em consultorias de RH e de Recolocação, possuo vasta experiência em Orientação de Carreira (profissional), Outplacement e Recolocação e realizo atendimentos online para pessoas que precisam de apoio em suas transições de carreira, treinamento para entrevistas, elaboração de currículo (CV), perfil LinkedIn, ferramentas de networking e identidade profissional. Atuo também como Headhunter para empresas, conduzindo Processos Seletivos de profissionais para todos os segmentos. Sou palestrante presencial e online em workshops sobre temas relacionados aos conflitos psicológicos durante uma Transição de Carreira, Mercado de Trabalho, Elaboração de Currículo e Perfil LinkedIn, Networking, Processos Seletivos e Entrevistas, Identidade Profissional, Imagem e Marca Pessoal. Atualmente, os atendimentos realizados em Psicologia Clínica, em Carreira e Processos Seletivos são realizados somente ONLINE, através de recursos de videoconferência. Ofereço além dos atendimentos, serviços de revisão de Currículo e Perfil LinkedIn.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.