A importância de falar sobre a saúde mental do homem

homem

Apesar dos avanços da atualidade, ainda é um tabu falar de saúde mental para homens. O estigma negativo sobre os sentimentos masculinos prevalece, enquanto a condição emocional deteriora.

Dessa forma, é necessário discutirmos mais sobre o tema, pois, assim, será possível romper o preconceito instalado, tratar sobre as dificuldades masculinas e ajudar no processo de transformação da sociedade.

Ao abordarmos sobre o assunto, conseguimos desconstruir ideias machistas e estimular o falar das próprias emoções nos homens, o que contrapõe ao padrão cultural deles somente buscarem ajuda quando a situação já está grave – e isso se buscarem.

Durante os vários anos em que trabalhei com atendimentos individuais e grupos de apoio, escutei inúmeras histórias de sofrimento pela falta de diálogo e abertura masculina. Desse modo, pretendo discutir sobre a construção de uma nova masculinidade, que seja mais saudável e capaz de tornar natural para o homem falar de suas emoções.

“Homem não chora”

Quantas vezes já não escutamos essa frase? Apesar de totalmente inadequada, ela continua sendo ensinada nos dias atuais. O ditame foi sendo repassado pelo tempo, porém, dificilmente as pessoas notam a problemática do seu significado.

A principal ideia por traz da expressão é de que o homem não pode apresentar fragilidade ou expor suas emoções. Bem, fica claro nesta proposição uma amostra da masculinidade tóxica e um padrão cultural de sufocar sentimentos.

LEIA MAIS: A mudança do cérebro masculino ao ser pai

Então, até quando vamos seguir ignorando este silêncio e omitindo que existe uma repressão de emoções? Perpetuar com tal ensinamento somente aumenta a chance de os homens desenvolverem comportamentos destrutivos.

Sendo assim, romper este silêncio é uma forma de aproximá-los de uma afetividade real. Basta observar a qualidade de como é expresso os afetos nas relações sociais, familiares, e amorosas. Então, avalie a maturidade emocional dos homens do seu convívio mais íntimo.

Essas e outras reflexões precisam ser realizadas de maneira didática para atualizar os homens das novas necessidades e habilidades desta nova era. Consumo de pornografia, sexualidade, assédios, feminicídio, vícios, paternidade e participação da rotina família são somente alguns dos assuntos que precisam ser revistos.

Fatores de risco

Na minha experiência, destaco que, além do desafio mais comum em falar muito pouco dos sentimentos, existem situações de risco capazes de influenciar no surgimento de sintomas prejudiciais à saúde masculina.

Tais fatos podem ocorrer por conta de uma visão distorcida que associa adoecimento psíquico como sinal de fraqueza dentro do universo do homem. Sendo assim, é mais comum observar insônia, irritabilidade, isolamento e quadros de depressão, ansiedade, pânico e até suicídio dentro desse quadro.

Nesse sentido, vejamos alguns fatores que podem afetar o sofrimento dos homens, desencadeando riscos para saúde mental:

– Doenças graves: podem prejudicar a autonomia da pessoa, o que incorre num declínio da saúde mental;

– Disfunções sexuais: são observados como fator de risco para o aparecimento de complicações mentais e sofrimento psíquico acentuado por afetar diretamente a autoestima;

LEIA MAIS: Impotência masculina pode ter causa emocional

– Desemprego ou aposentadoria: muitos relatam angústia por não terem uma função social e não se sentirem úteis. Este cenário, associado a isolamento social e pensamentos de desesperança pode contribuir para o surgimento de um quadro psiquiátrico;

– Abuso de álcool e substâncias: se destacam nos serviços de saúde e nas relações familiares como um comportamento que causa inúmeros prejuízos, influenciando diretamente na resolução de conflitos de forma agressiva;

– Situações de violência: as diferentes formas de abuso também prejudicam a saúde mental masculina;

– Dentre outras que alterem a rotina subitamente.

Atuando na prevenção

Para atuar na prevenção desses problemas, a identificação precoce é fundamental. Dessa forma, ela ajuda na sensibilização para o diálogo e permite a reflexão vinda de pessoas de maior convívio.

Caso você identifique o abandono das relações, rotinas e sintomas já descritos, será necessária uma conversa séria, pois, na maioria das vezes, é o familiar que percebe o problema e que consegue mostrar para seu ente a necessidade de uma consulta de avaliação

De qualquer forma, é importante o envolvido pensar junto com a sua rede de apoio quais são as ações possíveis para minimizar esses fatores. Uma alternativa interessante é a terapia online, pois ela pode auxiliar neste processo de desconstruir a ideia de que os homens não podem demonstrar sentimentos, afinal, falar é parte do remédio para prevenir adoecimentos mais graves.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.