Saiba o que é ser um Workaholic

0
2704
ser workaholic

Você já deve ter ouvido falar sobre esse assunto, ou poderá se identificar facilmente com algumas características. Geralmente, o workaholic sente e diz que 24h é pouco para um dia, isso porque possui tantas tarefas e atividades que perde a noção de quanto tempo se dedica ao trabalho. Consequentemente, se sente cada vez mais distante das relações sociais e não encontra tempo para seus hobbies, e se afundando cada vez mais nos problemas pessoais, os quais os substitui por tarefas.

Atualmente, é muito comum ouvirmos assuntos referentes a prazos infinitos, metas concretas, trabalhos com horas intermináveis e, muitas vezes, em meio a tanto desespero, percebe-se que as pessoas se referem a tudo isso como se não fosse questão de escolha, mas falta de opção, seja por questões financeiras, nível profissional, etc.

Na verdade, apesar dessa hipótese ser verdadeira, é possível levantar diversos pontos sobre o porquê o trabalho excessivo é prioridade na vida de muitas pessoas. Se pensarmos na existência de um comportamento por trás das motivações podemos perceber que ele só acontece porque está sendo totalmente reforçado e gera uma sequência de pensamentos e atitudes que fixam essa rotina excessiva.

Entenda o que é workaholic e saiba como a psicologia pode ajudar nesse caso.

O Que é Workaholic?

O significado de workaholic tem origem da palavra em inglês, sua tradução seria “viciado em trabalho” ou também “trabalhador compulsivo”. São pessoas que, sem perceberem, optam por trabalhar muito, começam a basear toda rotina em excessivas metas, projetos e conteúdos inacabados e sentem profunda obsessão pelo trabalho.

O mundo corporativo é cercado de alta competitividade, vaidade, ganância e alter ego. Tudo isso faz com que as pessoas busquem sempre se mudar por necessidade e questão de sobrevivência. Para isso, muitas se tornam viciadas no trabalho não só para satisfazer as demandas da empresa, mas também como forma também de atingirem seus objetivos pessoais.

A pessoa viciada em trabalho não consegue se desligar de seus afazeres laborais, nem mesmo nas férias, feriados ou finais de semana. Em algumas situações, a mania de trabalho o faz deixar de lado sua vida social e suas relações com o(a) parceiro(a), filhos e família em geral para focar totalmente nas metas a serem cumpridas. Com o passar do tempo, seus verdadeiros amigos se tornam aqueles que convivem no ambiente de trabalho pois a comunicação é mais acessível, já que todos estão integrados no mesmo assunto: trabalho.

Algumas consequências mais sérias que o estilo de vida workaholic pode acarretar envolvem estresse, depressão, ansiedade, abuso de álcool e outras drogas, síndrome de burnout, entra outras.

Como a psicologia pode ajudar?

A pessoa que trabalha muito e possui esse comportamento compulsivo sofre bastante pois ele resulta numa péssima qualidade de vida, e, consequentemente a saúde começa a se manifestar negativamente, através de:

  • insônia;
  • irritabilidade;
  • depressão;
  • traumas e síndromes;
  • mau humor;
  • agressividade;
  • impotência sexual;
  • descontrole emocional;
  • medo do fracasso;
  • surtos de ansiedade;
  • pouca autoestima;
  • em alguns casos, pensamentos suicidas.

O excesso de trabalho e qualidade de vida não são uma boa dupla. Assim, com a orientação psicológica é possível identificar quais pontos mais influenciam o comportamento das pessoas e consequentemente pausar as horas extras e atividades excessivas.
O psicólogo estará pronto para entender e ouvir todas as preocupações e identificar quando todo esse comportamento se iniciou. Esse processo se dá através de diversas técnicas visando que o paciente consiga controlar esses sentimentos e, principalmente, aprender sobre gestão do tempo, ou seja, com organizar sua rotina, levando em conta todos os aspectos da vida, inclusive relaxar.

Como identificar que sou um workaholic?

  • tudo gira em torno de seu trabalho, é como se fosse a razão de tudo, tanto de alegria quanto da tristeza;
  • a vida pessoal é colocada de lado sem ao menos você perceber, porque sempre está ocupado com alguma outra coisa relacionada ao trabalho;
  • reuniões, ligações, metas, projetos, contratos, etc. que não tem fim e, consequentemente, o expediente se estende para a casa e ambientes pessoais;
  • irritabilidade;
  • conectado o tempo inteiro com o celular e outras tecnologias previamente sincronizadas com e-mail e assuntos de trabalho. A checagem desses aparelhos é frequente;
  • sonhos ou insônia são constantes;
  • a necessidade de sempre tomar café, ou o surgimento da necessidade de remédios começa a aparecer e, depois, se tornam frequentes.

Lembrando que se deve diferenciar o amor pela profissão do vício em trabalho pois também existem pessoas que são chamados de worklovers, aquelas mais conscientes de tudo o que está acontecendo em sua vida profissional e que amam seus ofícios.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.