Tripofobia: a fobia de buracos, padrões e aglomerados

0
667
tripofobia

A tripofobia pode causar enjoos, tremores e até aceleração dos batimentos cardíacos! 

Antes de começar o artigo, aqui vai um aviso: fique calmo, pois não colocaremos nenhuma imagem que cause aversão para quem sofre de tripofobia.

Na cultura oriental, a flor de lótus carrega o simbolismo de pureza espiritual e o equilíbrio entre corpo e mente, na religião budista. Mas, para algumas pessoas, a imagem da semente dessa flor está longe de trazer paz espiritual e equilíbrio: estamos falando dos tripofóbicos.

Mas, afinal, o que é tripofobia? Buracos aglomerados e padronizados como favos de mel, semente de flor de lótus, algumas espécies de animais e doenças de pele podem tirar muita gente do sério. O problema também é chamado de fobia de padrões repetitivos e, popularmente conhecida como  “medo de buracos“.

Tripofobia tem seu significado relacionado a o termo grego τρύπα trýpa “buraco” e φόβος phóbos “medo”. Ela provoca grande ansiedade, desconforto e até enjoo em quem possui esse medo excessivo.

A tripofobia ainda não é oficialmente reconhecida pelo Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V) da Associação Americana de Psiquiatria, que é o manual de categorização dos transtornos mentais mais utilizado em todo o mundo, por dois fatores: ela ainda não pode ser diagnosticada por ser relativamente nova e porque os especialistas ainda não a caracterizam como “fobia”, propriamente dita.

A fobia é caracterizada por um medo irracional. “Pessoas fóbicas sentem tanto medo que evitam determinadas situações, pessoas e lugares para não se expor ao perigo. Quando expostos ao objeto causador da fobia, esses indivíduos apresentam uma série de sintomas físicos: falta de ar, taquicardia, tremedeira e ataques de pânico“, explica a SBIE (Sociedade Brasileira de Inteligência Emocional)

Saiba o que é fobia em nosso blog!

Tripofobia: causas

Esse problema não era conhecida até 2009, quando um estudante americano criou uma página no Facebook para falar de seus medos. Após a postagem, mais e mais pessoas alegaram sentir desconforto ao olhar para imagens do tipo. Isso chamou a atenção de especialistas e, em especial, de dois pesquisadores da Universidade de EssexArnold Wilkins e Geoff Cole.

Os pesquisadores, então, realizaram um estudo com 286 adultos cujo resultado foi surpreendente: 16% deles reagiam com aversão a padrões repetitivos, com direito a reações fisiológicas e tudo!  Wilkins e Cole relacionaram essa aversão ao instinto de sobrevivência humana e acreditam que essas reações são mecanismos de defesa. Muitos animais  letais, como aranhas e cobras, possuem padrões de marcas similares. Ou seja, a tripofobia pode ser uma adaptação evolutiva atrelada à preservação individual.

Isso ficou claro após um dos entrevistados revelar seu medo do polvo-de-anéis-azuis, animal letal que carrega um dos venenos mais poderosos do mundo. Os pesquisadores, então, reuniram uma série de imagens de alguns dos animais mais tóxicos conhecidos e observaram que elas faziam surtir os mesmos efeitos  nas pessoas que têm tripofobia.

Universidade de Kent levantou outra hipótese sobre a origem do problema: “é que padrões de buracos manifestam-se em doenças e infecções como varíola e sarampo, e que tem tripofobia poderia fazer associações ao ver objetos cotidianos”, informa a BBC.

Doenças de pele como o “pé de maracujá” , que deixa o pé “cheio de furos” e buracos na pele, é uma das mais populares quando se fala em tripofobia. Ou seja, o medo de ter essas doenças também corrobora para o fator de proteção e evolução se sustentarem.

Conheça também, qual a diferença entre medo e fobia.

Tripofobia: sintomas

Já comentamos aqui o estado de extrema aversão que as pessoas com tripofobia ficam ao ver imagens com padrões e aglomeradas. Reunimos alguns dos sintomas de tripofobia mais conhecidos:

  • Tremores
  • Enjoos;
  • Ansiedade;
  • Sudorese;
  • Aversão;
  • Nojo;
  • Choro;
  • Arrepio;
  • Profundo desconforto;
  • Aumento do ritmo cardíaco;
  • Coceira;
  • Formigamento;
  • Entre outros.

“Alguns até manifestaram arrepios. Um dos pacientes disse que as imagens “davam-lhe náuseas e tremores”, informou a BBC acerca da pesquisa dos cientistas de Essex.

Já se sabe que tripofobia existe, e os pesquisadores afirmam que todo mundo tem um pouco de tripofobia, o que difere é o nível em que essa aversão se manifesta. Embora ainda seja pouco estudada, a tripofobia vem ganhando mais e mais popularidade, principalmente com a internet e a divulgação dessas imagens desconfortáveis para o cérebro.

Um dos meios de como tratar a tripofobia mora na psicoterapia. Especialistas como psicólogos e psiquiatras auxiliam com técnicas de aprendizagem para controlar a aversão e lidar com ela.

Fonte: BBC

Avalie este post!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.