Saiba mais sobre o impacto do câncer e da importância do tratamento psicológico

0
315
o que o câncer causa no psicológico

Quem luta contra o câncer, luta contra a própria mente. Além dos sintomas físicos extremamente severos e os efeitos colaterais exaustivos dos medicamentos e procedimentos que auxiliam na batalha contra a doença, a nossa saúde mental também é impactada com o diagnóstico. É nela que moram os medos, a instabilidade emocional, e o possível nascimento de outras doenças, como a ansiedade e a depressão. Mas, apesar das possibilidades do mal se expandir, a mente também pode ser uma grande arma para derrotar a enfermidade.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada ano 8,8 milhões de pessoas morrem de câncer, a maioria em países de baixa e média renda. A OMS ainda divulgou os seguintes dados: “O câncer é atualmente responsável por uma em cada seis mortes no mundo. Mais de 14 milhões de pessoas desenvolvem câncer todos os anos, e esse número deve subir para mais de 21 milhões de pessoas em 2030.”

O que é o câncer?

O Instituto Nacional de Câncer (Inca) define câncer como “um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões do corpo. Dividindo-se rapidamente, estas células tendem a ser muito agressivas e incontroláveis, determinando a formação de tumores (acúmulo de células cancerosas) ou neoplasias malignas. Por outro lado, um tumor benigno significa simplesmente uma massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu tecido original, raramente constituindo um risco de vida.”

Tipos de câncer

De acordo com os dados da OMS, “o câncer é uma das principais causas de morte no mundo, sendo responsável por cerca de 9,6 milhões de mortes em 2018.”

Os tipos de câncer mais comuns são:

  • Câncer de pulmão (2,09 milhões de casos)
  • Câncer de mama (2,09 milhões de casos)
  • Câncer colorretal (1,8 milhão de casos)
  • Câncer de próstata (1,28 milhão de casos)
  • Câncer de pele não-melanoma (1,04 milhão de casos)
  • Câncer de estômago (1,03 milhão de casos)

Mas, a doença ataca outros órgãos e aparece em diferentes formas:

  • Câncer de boca;
  • Câncer de fígado;
  • Câncer de intestino;
  • Câncer de esôfago;
  • Câncer de bexiga;
  • Câncer de colo de útero;
  • Câncer de cólon e reto;
  • Leucemias;
  • Sarcomas;
  • Entre outros.

Oncologia

A palavra vem do grego “onkos” (onco) e significa massa, volume, tumor. Já “logia”, significa estudo, ou seja, oncologia é o estudo dos tumores. Esse ramo da ciência médica se dedica a estudar o desenvolvimento do câncer no organismo e o tratamento para cada caso.

Atualmente tem se debatido muito a abordagem da ciência quanto ao tratamento do câncer. O objetivo é tratar o órgão afetado pelo tumor, mas acabamos esquecendo de que o órgão não vem sozinho. Existe uma pessoa ali, e entende-se que é fundamental o tratamento do ser como um todo para que os resultados sejam mais eficazes e saudáveis tanto para o corpo, quanto para a mente. Foi pensando nisso que surgiu a Psico-oncologia.

Um pouco de história

Quem pensa que os estudos sobre o câncer são relativamente novos, se enganou. Entre 460 e 370 a.C, viveu Hipócrates, considerado o “pai da medicina“. Foi ele quem utilizou a nomenclatura “câncer” pela primeira vez, além de “carcinos” e “carcinomas” para algumas manifestações de tumores. 

Em seguida,  entre 130 e 200 d.C., o médico romano Galeno se destacou no no tratamento do câncer.  Foi a partir de suas pesquisas que o câncer foi compreendido, na época, como incurável. Ele também realizou estudos que demonstravam a ligação entre desequilíbrios emocionais e psicológicos com o aparecimento da doença.

Os estudos dos psicanalistas Freud e Jung acerca da conexão dos acontecimentos psíquicos e suas consequências orgânicas fez com que, em 1939, a área da Medicina Psicossomática fosse fundada. A partir daí, especialistas lutaram cada vez mais para que os estudos psicológicos atrelados aos fisiológicos andassem cada vez mais juntos.

Foi na década de 70 que a Associação Americana de Psicologia criou a divisão de Psicologia da Saúde, o que consolidou ainda mais os estudos nessa área.

Psico-oncologia

As remotas pesquisas de Galeno, Freud, Jung e tantos outros especialistas que, desde os primórdios já se preocupavam com a ameaça do câncer,  contribuíram para o surgimento da oncologia, e, consequentemente, da psico-oncologia.

Em entrevista ao Instituto Oncoguia, a Dra. Regina Liberato, presidente da Sociedade Brasileira de Psico-Oncologia (SBPO), explica: “A psico-oncologia entende que não há uma pessoa cuidada, mas uma unidade de cuidados. Porque não é só o paciente que sofre. É o paciente, a família e sua equipe de cuidados. “

O primeiro congresso de psico-oncologia no Brasil aconteceu em 1994 e significou a conexão entre várias áreas da saúde cujo objetivo era um só: ampliar os tratamentos do câncer e visar o bem-estar do paciente e seus familiares. 

Liberato complementa: “Hoje a área ainda tem a ver com produção interdisciplinar, mas também se preocupa com a implantação de serviços e pesquisas, por exemplo. A área é ampla e muitas vezes confundida com a psicologia relacionada à oncologia. Mas não é isso. São todos os setores que demandam aspectos psicossociais, relacionados à oncologia: Fisioterapia, medicina, fonoaudiologia, psicologia, psiquiatria, enfermagem, pedagogia, assistência social, advocacy, clínica da dor, psiquiatria, assistência espiritual, voluntariado (…). São pessoas que, de alguma maneira, se relacionam com o câncer, direta ou indiretamente (pacientes, família, profissionais de saúde, cuidadores formais ou informais) e que lidam com aspectos psicossociais envolvidos nessa demanda, de enfrentamento do câncer.”

Impacto psicológico do câncer

O nome assusta: “câncer”. Não tem como pronunciar essas palavras sem ser tomado pela sua atmosfera negativa. Por anos, a aura quase de sentença de morte acompanhava o termo, mas graças aos avanços tecnológicos, hoje as perspectivas são muito melhores quanto ao tratamento da doença.

Ainda assim, o paciente diagnosticado precisa lidar com inúmeros questionamentos e pensamentos: o medo da morte, o sofrimento, o processo dos tratamentos, os efeitos dos medicamentos, a reação das pessoas, o impacto em sua vida…tudo isso e muito mais passa na cabeça de quem recebeu a notícia.

É preciso muito cuidado ao lidar com  paciente recém-diagnosticado. O modo como a notícia é dada pelo médico é fundamental no processo de aceitação e de como a pessoa vai lidar com a condição. 

Por que é importante manter a mente saudável no tratamento do câncer?

A pesquisa “Psico-Oncologia: um novo olhar para o câncer”, realizada por Maria Teresa Veit e Vicente Augusto de Carvalho, do Centro Universitário São Camilo, responde a pergunta: “Sofrimento emocional muitas vezes leva a pior evolução da doença, porque pode prejudicar a adesão aos tratamentos. Por outro lado, situações prolongadas de estresse
frequentemente resultam em funcionamento inadequado do
sistema imunológico, o aparato natural de defesa de nosso organismo. Nesse caso, este passa a ser menos eficaz em sua ação de reconhecimento e eliminação de elementos estranhos ao organismo, por exemplo, células malignas em formação.

Tratamento do câncer

Existem diversos tipos de câncer, portanto, diferentes formas de tratamento para cada caso. Os mais comuns são:

  • Imunoterapia;
  • Hormonioterapia;
  • Quimioterapia;
  • Radioterapia;

Para qualquer um desses tratamentos, aliá-los ao acompanhamento psicológico é fundamental para, como já explicamos, a cura do todo, e não só do órgão afetado pela doença. Caso tenha sido diagnosticado com câncer ou tenha um amigo ou familiar passando pelo tratamento, agende uma consulta com um psicólogo no nosso site!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.