Cultivar relacionamentos na terceira idade faz bem para a mente

0
141
amizade na terceira idade

Carl Fredricksen viveu uma vida cheia de momentos felizes e de sonhos ao lado da esposa Ellie. Eles eram melhores amigos, namorados, marido e mulher. O casal planejava viajar para a América do Sul, mas o destino tinha outros planos para eles. Com o falecimento da esposa, Carl sentiu os anos pesarem e os dias se tornarem amargos. Aos 78 anos, já um senhor de idade, ele se recusa a sair da casa onde ele e a esposa moraram e dividiram os melhores anos de suas vidas para dar espaço a uma construtora. A história de Carl se passa na animação da Disney “Up – Altas Aventuras”, mas é o enredo da vida de muitas pessoas que, ao chegarem na terceira idade, se vêem presos ao passado e às amarguras do presente.

Há muita dificuldade em lidar com a velhice: a nova geração que pensa diferente, as tecnologias complexas, os impedimentos físico-motores, o falecimento de amigos, a realidade da solidão e a proximidade do fim da vida. Quem sabe envelhecer bem, vive bem. Mas as coisas não são tão simples assim. No Brasil, sofremos com o desamparo familiar e abandono de idosos em asilos ou albergues públicos. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) analisou o período entre 2012 e 2017 e constatou que a população de idosos no país saltou de 25,4 milhões para mais de 30,2 milhões de pessoas. Nesse mesmo período, notou-se também que o número de homens e mulheres com 60 anos ou mais nos albergues públicos subiu 33%, de 45,8 mil para 60,8 mil.  Ou seja, tratamos mal quem nos tratou bem a vida inteira.

A solidão é uma grande epidemia mundial que afeta pessoas de todas as idades e em diversas fases da vidas. A solidão na velhice é muito mais comum, pois com a aposentadoria e possível afastamento da família, os idosos acabam se desconectando do mundo que conheciam. Acontecimentos como a morte do parceiro ou a separação podem fazer com que esses indivíduos escolham viver na solidão. O problema também é associado a demência, mortalidade prematura e pressão sanguínea alta. A primeira-ministra britânica, Theresa May, descreveu a epidemia da solidão como “a triste realidade da vida moderna”, que afeta milhões de pessoas. Além das consequências físicas, a depressão na terceira idade e outras doenças psicológicas são uma realidade e tomam conta devido a tristeza, desmotivação, baixa qualidade de vida — especialmente em cidades grandes — e falta de perspectiva que essas pessoas sentem quando a idade avança.

Leia mais sobre o ministério da solidão!

Benefícios do relacionamento na terceira idade

Mas a velhice não precisa ser infeliz, solitária e cheia de doenças físicas e mentais. Aliás, a amizade na terceira idade é um dos melhores remédios contra os males físicos e psicológicos. Segundo a neuropsicologista Rita Miranda, em entrevista para o G1, “psicologicamente falando eles ficam com a mente mais aberta, mais espontâneos, mais livres para poder vivenciar o que eles desejam. Eu acredito que eles criam motivação para enfrentar qualquer doença ou dificuldade que possa ter”, explica.

Saiba tudo sobre depressão!

Os grupos de amigos na terceira idade, seja aqueles do bingo, das viagens, da dança de salão ou da caminhada matinal, são benéficos pois afastam o isolamento e o sedentarismo e incentivam a busca pelo novo e pela socialização, peças chave para que tristeza nenhuma tome conta, além de fazerem o corpo e a mente trabalharem. Em “Up – altas Aventuras”, após um incidente, Carl seria movido da sua casa para um asilo, mas amarrou balões à moradia e partiu para uma aventura rumo à América do Sul. Mas a grande aventura que deu cor à sua vida foi, na verdade, a amizade que criou com Russel, um garoto de 8 anos cheio de coisas para contar e perguntar. Apesar de tentar afastar o garoto  a todo custo, o mal-humorado e antissocial senhor Fredricksen acabou cedendo ao laço afetivo e não ganhou apenas um amigo, ganhou a vontade de viver novamente.

Amor na terceira idade

Independente da idade, os laços afetivos podem evoluir para a paixão e para o amor, e  por quê isso seria diferente quando ficamos mais velhos? A terceira idade pode ser um período de novas descobertas e novos sonhos, já que muitos idosos passam pelo divórcio ou perdem a pessoa amada. O namoro na terceira idade é tão natural quanto o nosso primeiro beijo na adolescência e, nos dias de hoje, acontece com cada vez mais frequência. O medo de se relacionar novamente ou até mesmo o preconceito, seja da própria pessoa ou da sociedade, inibe e desencoraja, mas saiba que os relacionamentos na melhor idade podem trazer benefícios para a saúde! Em entrevista para o G1, a psicóloga Maria Luisa Francischetto Travaglia, aponta que “o namoro tende a reduzir os problemas de saúde, pois quando estamos apaixonados, assim como qualquer jovem, temos o desejo de nos cuidar, resgatando uma vaidade que, muitas vezes, se perdeu ao longo da vida. Além disso, ter com quem partilhar alegrias ou amenizar angústias faz a vida ser mais leve e ter mais sentido”.

Em muitos casos, a própria família é contra o namoro. A sociedade ainda enxerga o idoso como alguém que não precisa mais viver novas experiências, que não tem vontades, desejos ou que não pensa sobre sexo. Mas eles pensam. Eles querem amar e serem amados. Os sites de relacionamento para a terceira idade já estão por aí e cada vez mais velhinhos se jogam em novas aventuras, afastando a solidão, depressão e os males do coração.

Seja rodeado de amigos ou embarcando numa experiência amorosa, a verdade é que quem passou dos 60 também tem direito a viver a vida intensamente. Assim como o senhor Fredricksen em “Up – Altas Aventuras”, eles também precisam fazer novos amigos, conhecer o mundo e ter a saúde física e mental bem amparadas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.