Confira o que significa Borderline e saiba tudo sobre esse transtorno

1
11884
transtorno de borderline

A síndrome acomete cerca de 75% de mulheres e tem efeitos alarmantes na vida de quem luta diariamente contra ela.

Dona de uma das vozes mais marcantes da atualidade e de atitudes polêmicas, a cantora Amy Winehouse morreu em 2011, aos 27 anos de idade, após uma intoxicação alcoólica. Mas, o que muita gente não sabe é que, por trás das tatuagens, do álcool, das drogas e de seu comportamento controverso, a diva inglesa sofria de um transtorno pouco falado: A Síndrome de Borderline.

O filme “Garota Interrompida”, dirigido por  James Mangold e baseado no livro de Susanna Kaysen, mostra a história da própria autora diagnosticada com o transtorno na década de 60.

“Sei exatamente como é querer morrer, como dói sorrir, como você tenta se encaixar e não consegue. Como você se fere por fora tentando matar o que tem dentro.” – Garota Interrompida, 1993.

O que é Borderline?

Também conhecida por Transtorno de Personalidade Limítrofe ou Transtorno de Personalidade Borderline, a Síndrome de Borderline é caracterizada por um padrão de mudanças súbitas de humor, comportamentos impulsivos e autodestrutivos, deturpação da autoimagem, compulsões, descontrole emocional, entre outros.

Essa condição gera episódios intensos de raiva, ansiedade, depressão e dificuldade em criar laços, já que seus relacionamentos são instáveis. Os acessos de fúria de Amy Winehouse viraram piada na mídia, assim como seu relacionamento conturbado com o Blake Fielder-Civil.

O que significa Borderline?

O primeiro teórico a utilizar o termo “borderline” foi o o psicanalista alemão Adolf Stern na obra “Terapia e investigação psicanalítica do grupo das neuroses borderline”. A palavra “borderline” vem do inglês e significa “na fronteira”, fazendo uma alusão aos portadores da condição que vivem no limite entre a neurose (perturbações sensoriais, motoras, emocionais e/ou vegetativas de origem psíquica que conservam a referência à realidade) e a psicose (há perda de noção da realidade).

Sinais e Sintomas do Borderline

Os indivíduos com  Borderline apresentam incertezas sobre quem são, além de mudanças súbitas e extremas de humor e interesses. Conheça mais alguns sintomas e sinas sobre o que o Borderline causa.

  • Autoimagem distorcida: O borderline possui instabilidade sobre seu próprio ser, ele não sabe ao certo quem é, e essa falta de si gera baixa autoestima. Amy não apenas gostava de tatuagens, mas cobriu seu corpo com elas, uma atitude desesperada em se esconder e tentar suprir a falta de identidade que possuía sobre si mesma.

  • Relações instáveis, intensas e turbulentas: Não é segredo algum a relação conturbada entre Amy e Blake. As idas e vindas, o abuso de drogas e alcóol e a prisão de Blake, separando marido e mulher, era longe de ser calmo e sadio. O padrão dessas relações intensas e instáveis ​​com familiares, amigos e entes queridos, é uma das características de quem sofre de Borderline. As emoções são fortes e passam do controle, resultando em episódios de extremo afeto e de extrema fúria ou desvalorização. As paixões são fulminantes, mas passageiras.  

  • Impulsividade:  Agem muitas vezes sem pensar nas consequências, seja com compras, abuso de substâncias ilícitas, sexo, etc. A impulsividade é um dos traços do Borderline e gera ações imprudentes e com tendências à compulsão. 

  • Alterações de humor: As mudanças repentinas de humor variam entre momentos de extrema euforia e de profunda melancolia. 

  • Automutilação e comportamento suicida: Aliviar a angústia emocional no próprio corpo através de ferimentos, cortes, queimaduras, entre outros, é um traço muito comum entre os pacientes. Por terem uma noção deturpada de sua própria imagem, os indivíduos que sofrem do transtorno praticam a automutilação para aliviar as dores emocionais a fim de tentarem minimazá-las e controlá-las. Esse comportamento auto-destrutivo pode chegar ao nível de suicídio, por isso o diagnóstico é de vital importância. 

  • Sentimento de abandono e solidão: O medo de ficar sozinho e de ser abandonado por aqueles a quem ama é extremamente intenso em quem sofre da síndrome. Por isso, se tornam muito possessivos e pouco compreensivos com a falta das pessoas amadas.

  • Descontrole: Domar as emoções é uma tarefa muito complicada para eles. As emoções estão frequentemente à flor da pele, então episódios de fúria, descontrole, irritabilidade, pânico e agressividade podem acontecer, e se não for tratado, pode ser extremamente perigoso, tanto para o paciente quanto para aqueles que o cercam. 

Entenda a diferença entre Borderline e Bipolaridade aqui!

Tipos de Borderline

Não existe uma classificação oficial e científica sobre os tipos de Síndrome Borderline. Porém, alguns autores se empanharam em estudar possíveis diferenças entre os indivíduos com o transtorno. 

Fatores de Risco

As origens do Transtorno de Personalidade Borderline ainda são pouco conhecidas. Sabe-se que existe uma predisposição genética para ela acontecer e fatores psicobiológicos acerca do descompassado cerebral do neurotransmissor serotonina.

Outro possível causador do transtorno pode ser gerado por eventos traumáticos vividos pela pessoa durante a infância ou adolescência, tais como  abandono,  diagnóstico de doença, orfandade, morte de entes queridos, abuso psicológico e/ou sexual, negligência, terror psicológico, separação dos pais, entre outros.

Gênero

De acordo com a Sociedade Brasileira de Psicologia (SBP), acredita-se que o transtorno seja mais predominante em mulheres (75%) e que os sintomas apareçam entre 18 e 25 anos de idade.

Borderline e Relacionamentos

O Borderline no amor possui um perfil extremamente intenso. O medo do abandono os torna possessivos e incompreensíveis: nenhuma justificativa é plausível para a falta do outro. Desconfiança os cerca e a insegurança toma conta.

O que os(as) parceiros(as) de pessoas com Borderline podem fazer é ter paciência, saber ouvir e insistir em seu acompanhamento psicológico. O apoio e presença são fundamentais.

Teste e Diagnóstico

Ainda pouco discutido, o Borderline por vezes é erroneamente diagnosticado ou não investigado. Quem pode diagnosticar a síndrome são os psiquiatras ou psicólogos através de análisesentrevistas completas durante a sessão psicológica, além de pedirem uma série de exames médicos.

A análise clínica pode ser uma ferramenta para descartar outras doenças e transtornos. É essencial realizar exames fisiológicos. O borderline no exame de sangue, ou hemograma, é identificável, assim como a sorologia. Ambos são utilizados na comparação e descarte de outras doenças mentais como depressão ou esquizofrenia, por exemplo. 

Tratamento

Na década de 60, o Borderline era pouco conhecido e seu tratamento difícil de ser feito, como mostra o filme “Garota Interrompida“, onde a jovem Susanna foi diagnosticada com o transtorno e levada à sessão de psicanálise e, induzida pelos pais,  internada em um hospital psiquiátrico.

Psicoterapia

Hoje os estudos sobre o transtorno são mais abrangentes e há outras medidas para serem tomadas antes de qualquer internação. O acompanhamento psicológico é o primeiro passo para tratar do Transtorno de Personalidade Limítrofe. O Borderline e esquizofrenia são muito associados, assim como o Borderline e depressão, por isso o diagnóstico e acompanhamento com o psiquiatra são fundamentais para distinguir as doenças e propriamente tratar a síndrome. Há também quem confunda Borderline e bipolaridade. São duas doenças distintas que requerem tratamentos específicos.

Medicamentos

A indicação de medicamentos aos pacientes com Borderline ainda não são primariamente feitas, já que não são concretas as melhorias e efeitos. Entretanto, o psiquiatra pode recomendar remédios para curar sintomas específicos, como alterações de humor, depressão, etc, fazendo uso de estabilizadores de humor e antidepressivos.

O que fazer para ajudar?

Existem diversas maneiras de ajudar o indivíduo com a síndrome. 

  • Pesquise e se informe sobre o transtorno. O conhecimento é essencial para identificar os sintomas e auxiliar o borderline em crise.
  • Incentive a pessoa a procurar ajuda profissional;
  • Procure um psicólogo para receber dicas de como lidar com a síndrome;
  • Não banalize a condição e as frases ditas pelo borderline. Elas contem pedidos de ajuda inconscientes ou avisos que podem ser transformados em atos, como o suicídio. Em situações de emergência, ligue para o psiquiatra ou para o Disque 188 do Centro de Valorização da Vida (CVV). 

Famosos com Borderline ou com indícios do problema

  • Amy Winehouse;
  • Princesa Diana (Lady Di);
  • Angelina Jolie;
  • Marilyn Monroe;
  • Lindsay Lohan;
  • Britney Spears;
  • Monique Evans.

Amy Winehouse, em seu single “Rehab”, cantou “Eles tentaram me levar para a reabilitação e eu disse não”. Uma das características do Borderline é a compulsão. Amy tinha problemas com o abuso de drogas e álcool, porém todas as suas tentativas de reabilitação e tratamento falharam. 

Quando o paciente se recusa a ter o tratamento adequado, é importante ter o apoio da família. A cantora e o pai, Mitch Winehouse, sempre tiveram um relacionamento conturbado. Os mais próximos da família dizem que ele tentou pegar carona na fama de Amy e se aproveitar de seu talento para ganhar dinheiro e o próprio estrelado. Tal abuso só piorou a situação da cantora.

Nenhuma doença psicológica deve ser banalizada. Sem o tratamento psicológico adequado, o sofrimento só aumenta, assim como as chances de mais destinos trágicos, como foi o de Amy Winehouse.

1 COMENTÁRIO

  1. Bom dia
    Estou pesquisando sobre o TPB e li aqui : “É essencial realizar exames fisiológicos. O borderline no exame de sangue, ou hemograma, é identificável, assim como a sorologia. ” Não encontrei em lugar algum referência sobre esse fato de que é possível identificar o sintoma com exames de sangue. Poderia me dar uma referência ou falar mais sobre isso.
    Obrigada

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.